Cursos Militares

EsPCEx

Histórico

A 21 de julho de 1967, o Exmo. Sr. Ministro do Exército alterava o nome da então Escola Preparatória de Campinas para "Escola Preparatória de Cadetes do Exército". Surgia a EsPCEx. Porém, um longo caminho foi trilhado para o advento dessa Escola.Em 1944 era escolhido o terreno onde seria erguido o prédio, carinhosamente chamado de "a casa rosada", um projeto arquitetônico em estilo colonial espanhol idealizado por Ernani Val Penteado.Mas somente através do decreto de 23 de janeiro de 1959 foi transferida a sede da Escola Preparatória de São Paulo para Campinas, sob o nome de Escola Preparatória de Campinas.
A transformação das Escolas Preparatórias de Porto Alegre e Fortaleza em Colégios Militares, no ano de 1961, permitiu que os olhares da nação se voltassem para Campinas, a gloriosa cidade das Andorinhas, berço futuro daqueles que aspiram ao ingresso na Academia Militar das Agulhas Negras e na oficialidade do Exército Brasileiro. A partir dessa data, a Escola de Campinas tornou-se a legítima depositária das tradições forjadas por muitas gerações nas extintas escolas.
Nascia, então, em 1967, a EsPCEx, cenário de culto das mais importantes tradições do Exército Brasileiro, pois é aqui onde tudo começa.

 O Pergamus e a EsPCEx

Com vasta experiência na preparação ao Concurso de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Exército no Colégio Militar de Juiz de Fora – CMJF -, esse concurso foi a mola propulsora que motivou a Ten. Ignez a criar o Curso Pergamus. De início, visava-se somente ao preparo dos alunos em Língua Portuguesa e Matemática. Todavia, com uma procura cada vez maior, os candidatos a esta instituição requisitaram um preparo completo, no que foram prontamente atendidos. Com a parceria envolvente do 1º comandate do Colégio Militar de Juiz de Fora - Cel. Rubens Amorim Souto, -, visando sempre ao melhor atendimento didático-pedagógico de nossos alunos, nasceu o CPREP/EsPCEx do Curso Pergamus, disposto a manter os altos índices de aprovação adquiridos no CMJF de 1996 a 2003.

De 2006 até hoje, o Pergamus tem se destacado em todos os concursos, porém, o da EsPCEx tem trazido para nós, no que tange à aprovação e classificação, um retorno jamais visto nesta região. Em 2010, com a aquisição do quadro interativo – investimento que visa à qualidade do aprendizado e à otimização do tempo, crucial para o êxito em qualquer processo seletivo – o Pergamus mais uma vez mostrou-se eficiente, arrojado e à frente de seu tempo, na vanguarda educacional.

O Exame Intelectual

O Exame Intelectual (EI), como parte do processo seletivo da EsPCEx, visa à seleção cognitiva e à classificação dos candidatos, e é realizado simultaneamente em localidades distribuídas por todas as regiões do território nacional, selecionando os que demonstrem possuir conhecimentos fundamentais, que lhes possibilitem acompanhar os estudos durante a realização do curso da EsPCEx, em Campinas.

O concurso, em 2010, foi dividido em dois módulos: um, aplicado em único período de tempo, sem intervalos, composto das provas de Física-Química e de Geografia-História (ambas com questões objetivas); e outro, aplicado também num único período de tempo, sem intervalos, composto das provas de Matemática, de Português (ambas com questões objetivas) e de Redação (questão discursiva de caráter eliminatório). Normalmente, o exame de seleção é aplicado no sábado e no domingo.

Pelo nível de dificuldade das provas e por ser um concurso muito visado por candidatos  de todo o território brasileiro - em 2010, houve cerca de 19.000 inscritos e somente 930 aprovados – , faz-se imperativo que haja uma preparação de qualidade - limite de 30 alunos em sala de aula - , com materiais didáticos adequados e envolvimento do corpo docente, características próprias de quem se importa com a realização dos sonhos de seus clientes, encontradas no Curso Pergamus.

Ajuda de custo

As escolares militares se diferenciam das demais, por oferecerem uma ajuda de custo a seus alunos. Hoje, a EsPCEx oferece o 3º ano do Ensino Médio e aquele que faz parte do seu corpo discente está automaticamente cumprindo com suas obrigações militares e recebe por isso em torno de R$ 730,00, além de alojamento e alimentação. Ao Concluir o Ensino Médio na EsPCEx, o aluno é transferido para a AMAN - Academia Militar das Agulhas Negras -, onde fica por quatro anos. Nos três primeiros anos, o agora cadete aumenta seu soldo para R$862,00 e, no quarto e último ano, passa a receber por volta de R$1.100,00. Ao sair da Academia, como Aspirante-a-oficial, formação superior em Bacharel em Ciências Militares, o militar recebe outra ajuda de custo - trânsito - por transferência para uma localidade de acordo com sua classificação de turma.

Estabilidade econômica, segurança, assistência médica e odontológica, ensino de qualidade aos descendentes diretos (direito de acesso aos colégios militares), plano de ascensão profissional previamente determinado são algumas das vantagens de se tornar oficial do Exército Brasileiro. Esse sonho começa aqui no Curso Pergamus, com a aprovação de nossos alunos (veja galeria de fotos de nosso site). 

Programa de matérias e bilbiografia recomendada (provisório)

2011/2012 (Ensino Médio Completo)

Conteúdo Programático:

a) Prova de Física-Química

1)Física

 a) Mecânica

- Introdução ao método científico na Física, conceitos básicos de cinemática, movimento uniforme,

movimento uniformemente variado, movimentos sob a ação da gravidade, movimentos circulares, gráficos da cinemática, composição de movimentos e cinemática vetorial, dinâmica, energia, trabalho, impulso,potência, rendimento, quantidade de movimento, choques mecânicos, estática de um ponto material e de um corpo extenso rígido, hidrostática, princípios de conservação, leis de Kepler e gravitação universal.

b) Termologia

- Conceitos fundamentais de termologia, termometria, calorimetria, mudanças de fase, diagramas de fase,propagação do calor, dilatação térmica de sólidos e líquidos, gases ideais e termodinâmica.

c) Óptica

- Princípios da óptica geométrica, reflexão da luz, espelho plano, espelhos esféricos, refração luminosa,

lentes esféricas, instrumentos ópticos, olho humano e defeitos da visão.

d) Ondas

- Movimento harmônico simples, conceitos básicos de ondas e pulsos, reflexão, refração, difração,

interferência, polarização, ondas sonoras e efeito Doppler.

e) Eletricidade

- Carga elétrica, princípios da eletrostática, processos de eletrização, força elétrica campo elétrico,

potencial elétrico, trabalho da força elétrica, energia potencial elétrica, condutores em equilíbrio

eletrostático, capacidade elétrica, corrente elétrica, resistores, resistência elétrica, associação de resistores,associação de capacitores, energia armazenada nos capacitores, aparelhos de medição elétrica, geradores e receptores elétricos, Leis de Kirchhoff, conceitos iniciais do magnetismo, campo magnético, força magnética, indução eletromagnética, corrente alternada, transformadores e ondas eletromagnéticas.

 Bibliografia

BONJORNO, José Roberto e CLINTON, Márcio Ramos. Física, História e Cotidiano. São Paulo: Editora

FTD, 2003 (Volumes 1, 2 e 3).

CALÇADA, Caio. Física Clássica. São Paulo: Editora Atual, 1998 (Volumes: Cinemática; Dinâmica e

Estática; Termologia; Fluidomecânica e Análise Dimensional; Óptica e Ondas; Eletricidade).

VILLAS BÔAS, Newton; DOCA, Ricardo Helon e BISCOULA, Gualter José. Tópicos de Física. São

Paulo: Editora Saraiva, 2007 (Volumes 1, 2 e 3).

MÁXIMO, Antônio e ALVARENGA, Beatriz. Curso de Física. São Paulo: Editora Scipione, 2000

(Volumes 1, 2 e 3).

GASPAR, Alberto. Física. São Paulo: Editora Ática, 2000 (Volumes 1, 2 e 3).

RAMALHO JUNIOR, Francisco; FERRARO, Nicolau Gilberto e TOLEDO SOARES, Paulo Antônio de.

Os Fundamentos da Física. São Paulo: Editora Moderna, 2007 (Volumes 1, 2 e 3).

 2)Química

 a) Matéria e substância: -Propriedades gerais e específicas; estados físicos da matériacaracterização

e propriedades; misturas, sistemas, fases e separação de fases; substâncias simples ecompostas; substâncias puras; unidades de matéria e energia.

b) Estrutura Atômica Moderna -Introdução à Química; evolução dos modelos atômicos; elementos químicos: principais partículas do átomo, número atômico e número de massa, íons, isóbaros, isótonos,isótopos e isoeletrônicos; configuração eletrônica: diagrama de Pauling, regra de Hund (Princípio de exclusão de Pauli), números quânticos.

c) Classificações Periódicas -Histórico da classificação periódica; grupos e períodos; propriedades

periódicas: raio atômico, energia de ionização, afinidade eletrônica, eletropositividade, eletronegatividade.

d) Ligações Químicas -Ligações iônicas, ligações covalentes e ligação metálica; fórmulas estruturais: reatividade dos metais.

e ) Características dos Compostos Iônicos e Moleculares -Geometria molecular: polaridade das

moléculas; forças intermoleculares; número de oxidação; polaridade e solubilidade.

f) Funções Inorgânicas

- Ácidos, bases, sais e óxidos; nomenclaturas, reações, propriedades, formulação e classificação. g)

Reações Químicas

-Tipos de reações químicas; previsão de ocorrência das reações químicas: balanceamento de

equações pelo método da tentativa e oxirredução.

h) Grandezas Químicas

- Massas atômicas e moleculares; massa molar; quantidade de matéria e número de Avogrado.

i) Estequiometria

-Aspectos quantitativos das reações químicas; cálculos estequiométricos; reagente limitante de uma reação; leis químicas (leis ponderais).

j) Gases:

- Equação geral dos gases ideais; leis de Boyle e de Gay-Lussac: equação de Clapeyron; princípio de

Avogrado e energia cinética média; misturas gasosas, pressão parcial e lei de Dalton; difusão gasosa,

noções de gases reais e liquefação.

k) Termoquímica:

- Reações endotérmicas e exotérmicas; tipos de entalpia; Lei de Hess, determinação da variação de entalpia e representações gráficas; cálculos envolvendo entalpia.

l) Cinética:

-Velocidade das reações; fatores que afetam a velocidade das reações; cálculos envolvendo velocidade da reação.

m) Soluções:

- Definição e classificação das soluções; tipos de soluções, solubilidade, aspectos quantitativos das

soluções; concentração comum; concentração molar ou molaridade, título, densidade; relação entre essas grandezas: diluição e misturas de soluções; análise volumétrica (titulometria).

n) Equilíbrio Químico:

- Sistemas em equilíbrio; constante de equilíbrio; principio de Le Chatelier; constante de ionização; grau de equilíbrio; grau de ionização; efeito do íon comum; hidrólise; pH e pOH; produto de solubilidade; reações envolvendo gases, líquidos e gases.

o) Eletroquímica:

- Conceito de ânodo, cátodo e polaridade dos eletrodos; processos de oxidação e redução, equacionamento, número de oxidação e identificação das espécies redutoras e oxidantes; aplicação da tabela de potenciais padrão; pilhas e baterias; equação de Nernst; corrosão; eletrólise, Leis de Faraday.

p) Radioatividade:

- Origem e propriedade das principais radiações; leis da radioatividade; cinética da radiações e constantes radioativas; transmutações elementos naturais; fissão e fusão nuclear; uso de isótopos radioativos; efeitos das radiações.

q) Princípios da química orgânica:

- Conceito: funções orgânicas: tipos de fórmulas; séries homólogas: propriedades fundamentais do átomo de carbono, tetravalência, hibridização de orbitais, formação, classificação das cadeias carbônicas e ligações.

r) Análise orgânica elementar: Determinação de fórmulas moleculares

s) Funções orgânicas:

- Hidrocarbonetos, álcoois, aldeídos, éteres, cetonas, fenóis, ésteres, ácidos carboxílicos, sais deácidos

carboxílicos, aminas, amidas e nitrocompostos: nomenclatura, radicais, classificação,propriedades físicas e químicas, processos de obtenção e reações.

 Bibliografia

USBERCO, João e SALVADOR, Edgard. Química.14ª ed. reform-São Paulo: Editora Saraiva,

2009. (volume 1: Química Geral).USBERCO, João e SALVADOR, Edgard. Química.12ª ed. reform-São

Paulo : Editora Saraiva,2009:(Volume 2: Físico-Química).

USBERCO, João e SALVADOR, Edgard. Química.12ª ed. reform-São Paulo Editora Saraiva,2009.

(Volume 3: Química Orgânica).FONSECA, Martha Reis Marques da:.Química Geral : São Paulo: Editora

FTD, 2007.FONSECA, Martha Reis Marques da: Físico-Química :São Paulo: Editora FTD,

2007.FONSECA, Martha Reis Marques da: Química Orgânica:São Paulo: Editora FTD, 2007.

 b) Prova de Geografia-História/ Prova de Inglês

1)Geografia

 a) Geografia Geral

(1) Localizando-se no Espaço.

- Orientação e localização: coordenadas geográficas, fusos horários; e

- Cartografia: a cartografia e as visões de mundo, as várias formas de representação da superfície terrestre, projeções cartográficas, escalas e convenções cartográficas.

(2) O Espaço Natural

- Estrutura e dinâmica da Terra: evolução geológica, dinâmica da crosta terrestre, tectonismo, vulcanismo, intemperismo, rochas e solos, formas de relevo e recursos minerais;

- As superfícies líquidas: oceanos e mares, hidrografia, utilização dos recursos hídricos;

- A dinâmica da atmosfera: elementos e fatores do clima e os tipos climáticos. -Os domínios naturais:

distribuição da vegetação, características gerais das grandes paisagens naturais; e

- Impactos ambientais: poluição atmosférica, erosão, assoreamento, poluição dos recursos hídricos e a

questão da biodiversidade.

(3) O Espaço Econômico

- Indústria: o processo de industrialização, tipos de indústria, a concentração e a dispersão industrial, os conglomerados transnacionais, os novos fatores de localização industrial, as fontes de energia e a questão energética;

- Agropecuária: sistemas agrícolas, estrutura agrária, uso da terra, agricultura e meio ambiente, produção agropecuária, comércio mundial de alimentos e a questão da fome; e

- Globalização e Circulação: os fluxos financeiros, transportes, os fluxos de informação, o meio

tecnocientífico-informacional, comércio mundial, blocos econômicos e as migrações internacionais.

(4) O Espaço Humano

- Demografia: teorias demográficas, estrutura da população, crescimento demográfico e migrações;

- Urbanização: processo de urbanização, espaço urbano e problemas urbanos.

b) Geografia do Brasil

(1) O Espaço Natural

- Características gerais do território brasileiro: posição geográfica, posição astronômica;

- Geomorfologia: o relevo e a estrutura geológica;

-A atmosfera e os climas: elementos e fatores climáticos e os climas no Brasil;

-Domínios naturais: distribuição da vegetação, características gerais dos domínios naturais, aproveitamento econômico e degradação ambiental; e

- Recursos hídricos: bacias hidrográficas, aquíferos, hidrovias e degradação ambiental.

(2) O Espaço Econômico

- A formação do território nacional: economia colonial e expansão do território, da cafeicultura ao Brasil

urbano-industrial e integração territorial;

- A industrialização Pós-Segunda Guerra mundial: modelo de substituição das importações, abertura para investimentos estrangeiros, concentração e dispersão industrial, polos industriais e a indústria nas diferentes regiões brasileiras;

- O aproveitamento econômico dos recursos naturais e as atividades econômicas: os recursos minerais, fontes de energia e meio ambiente, o setor mineral e os grandes projetos de mineração;

- Agricultura brasileira: a estrutura fundiária, relações de trabalho no campo, a modernização da

agricultura, êxodo rural, agroindústria e a produção agropecuária brasileira; e

- Comércio: globalização e economia nacional, comércio exterior, integração regional (Mercosul e

América do Sul), eixos de circulação e custos de deslocamento.

(3) O Espaço Humano

- Demografia: transição demográfica, crescimento populacional, estrutura etária, política demográfica e

mobilidade espacial (migrações internas e externas);

- Mercado de trabalho: estrutura ocupacional e participação feminina;

- Desenvolvimento humano: os indicadores sócio-econômicos; e

- Urbanização brasileira: processo de urbanização, rede urbana, espaço urbano e problemas urbanos.

 Bibliografia

Geografia Geral

COELHO, Marcos de Amorim e TERRA, Ligia. Geografia Geral o espaço natural e socioeconômico. 5ª

ed. São Paulo: Moderna, 2005.

MAGNOLI, Demétrio e ARAÚJO, Regina. Projeto de Ensino de Geografia: natureza, tecnologias,

sociedades: Geografia Geral. 2ª ed. São Paulo: Moderna, 2004.

MAGNOLI, Demétrio e ARAÚJO, Regina. Geografia: a construção do mundo: Geografia Geral e do

Brasil. 1ª ed. São Paulo: Moderna, 2005.

Geografia do Brasil

ADAS, Melhem. Panorama Geográfico do Brasil: contradições, impasses e desafios socioespaciais. 4ª ed.São Paulo: Moderna, 2004.

MAGNOLI, Demétrio e ARAÚJO, Regina. Projeto de Ensino de Geografia: natureza, tecnologias,

sociedades: Geografia do Brasil. 2ª ed. São Paulo: Moderna, 2005.

 2)História

a) A sociedade feudal (Século V ao XV).

b) O Renascimento comercial e urbano.

c) Os Estados Nacionais europeus da Idade Moderna, o Absolutismo e o Mercantilismo.

d) A expansão marítima europeia.

e) O Renascimento cultural, o Humanismo e as reformas religiosas.

f) A montagem da Colonização Européia na América

- Os Sistemas Coloniais Espanhol, Francês, Inglês e dos Países Baixos.

g) O Sistema Colonial Português na América. -Estrutura Político-Administrativa; Estrutura Sócio-Econômica; invasões estrangeiras; expansão territorial; rebeliões coloniais. Movimentos Emancipacionistas: Conjuração Mineira e Conjuração Baiana.

h) O Iluminismo e o Despotismo Esclarecido.

i) As Revoluções Inglesas (Século XVII) e a Revolução Industrial (Século XVIII a XX).

j) A independência dos Estados Unidos da América.

k)A Revolução Francesa e a Restauração (o Congresso de Viena e a Santa Aliança).

l) O Brasil Imperial

- O processo da independência do Brasil: o Período Joanino; Primeiro Reinado; Período Regencial;

Segundo Reinado; Crise da Monarquia e Proclamação da República;

- O Pensamento e a Ideologia no Século XIX; e

- O Idealismo Romântico; o Socialismo Utópico e o Socialismo Científico; o Cartismo; a Doutrina Social

da Igreja; o Liberalismo e o Anarquismo; o Evolucionismo e o Positivismo.

m) O mundo na época da Primeira Guerra Mundial

- O imperialismo e os antecedentes da Primeira Guerra Mundial; a Primeira Guerra Mundial; consequências da Primeira Guerra Mundial; a República Velha no Brasil; conflitos brasileiros durante a

República Velha.

n) O mundo na época da Segunda Guerra Mundial

- O entre-guerras; a Segunda Guerra Mundial; o Brasil na Era Vargas; a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial.

o) O mundo no auge da Guerra Fria

- A reconstrução da Europa e do Japão e o surgimento do mundo bipolar; os principais conflitos da Guerra Fria – A Guerra da Coreia (1950 – 1953), A Guerra do Vietnã (1961 – 1975), os conflitosárabes-israelenses entre 1948 e 1974; A descolonização da África e da Ásia; A República Brasileira entre 1945 e 1985.

p) O mundo no final do Século XX e início do Século XXI

- Declínio e queda do socialismo nos países europeus (Alemanha, Polônia, Hungria, ex-Tchecoslováquia, Romênia, Bulgária, Albânia, ex-Iugoslávia) e na ex-União Soviética; os conflitos do final do Século XX – A Guerra das Malvinas, A Guerra Irã-Iraque (1980 – 1989), A Guerra do Afeganistão (1979 – 1989), A Guerra Civil no Afeganistão (1989 – 2001), A Guerra do Golfo(1991), A Guerra do Chifre da África (1977

– 1988); A Guerra Civil na Somália (1991); O 11 de Setembro de 2001 e a nova Guerra no Afeganistão; A

República Brasileira de 1985 até os dias atuais.

 Bibliografia

ARRUDA, José Jobson de A. e PILETTI, Nelson. Toda a História – História Geral e História doBrasil.

13a ed. São Paulo: Ática, 2007;

BARBEIRO, Heródoto; CANTELE, Bruna Renata e SCHNEEBERGER, Carlos Alberto. História – de

olho no mundo do trabalho. 1ª ed. São Paulo: Scipione, 2007;

BERUTI, Flávio. Tempo & Espaço. História. Ensino Médio. Volume único. 1ª ed. São Paulo: Saraiva,

2004;

VICENTINO, Cláudio. História Geral. Ensino Médio. 10ª ed. São Paulo: Scipione, 2007.

AZEVEDO, Gislane Campos e SERIACOPI, Reinaldo. História. Ensino Médio. Volume único. 1ªed. São

Paulo: Ática, 2007;

COSTA, Luís César Amad e MELLO, Leonel Itaussu A. História do Brasil. 11ª ed. São Paulo: Scipione,

2006;

KOSHIBA, Luiz e PEREIRA, Denise Manzi Frayze. História do Brasil no contexto da história ocidental.

8ª ed. – revista, atualizada e ampliada. São Paulo: Atual, 2003;

SILVA, Francisco de Assis. História do Brasil. São Paulo: Moderna, 1996.

c)Prova de Inglês

Compreensão e interpretação de textos

Destina-se a avaliar a habilidade de compreensão de textos na língua inglesa. Os textos abordados

tratarão de temas variados e poderão ser extraídos das mais diversas fontes. As questões avaliarão a

compreensão geral, bem como a compreensão detalhada de expressões, frases, palavras e aspectos

gramaticais (listados a seguir) dos textos propostos.

Aspectos gramaticais:

- Nouns (countable and uncountable, singular and plural and the possessive case);

-Articles (the definite, the indefinite and the zero article);

- Pronouns (subject pronouns, object pronouns, possessive adjectives, demonstrative adjectives,

demonstrative pronouns and relative pronouns);

-Adjectives (the comparison and the superlative);

-Adverbs (adverbs of manner, place, time, frequency and degree);

- Prepositions (place and time);

- Verb Forms (simple present (the active and the passive voice), present continuous, simple past (the active and the passive voice), there to be, the imperative);

- Modals (can and could);

- Quantifiers (some, any, no, every and their compounds;much, many);

- Conjunctions; e

-Wh-Questions.

 Bibliografia

ALEXANDER, L. G. Longman English Grammar. Longman, 1988.

HOWARD, Lori. Read All About It. Oxford University Press, 1999

.LONGMAN DICTIONARY OF CONTEMPORARY ENGLISH, 2002.

MACMILLAN ENGLISH DICTIONARY, 2002.

MURPHY, Raymon. Basic Grammar in Use. Cambridge University Press, 2002.

SOARS, John and Liz. American Headway 1. Oxford, 2001.

SIQUEIRA, Rute. Context, Saraiva, 2000.

STRANGE, Derek. Double Take: Skills Training and Language Practice – Reading andWriting.Oxford

University Press, 1996.

SASLOW, Joan and Ascher, Allen. Top Notch 1. Longman, 2006.

MARJORIE FUCHS, Margaret Bonner. Grammar Express. Longman, 2001.Revistas, jornais, internet.

 d)Prova de Matemática

1) Teoria dos Conjuntos e Conjuntos Numéricos

- Representação de conjuntos, subconjuntos, união e intersecção de conjuntos;

- Conjunto dos números Naturais e Inteiros: operações fundamentais;

-Conjunto dos números Reais: Operações fundamentais, módulo, representação decimal, operações com intervalos reais; e

-Números complexos: Operações, módulo, conjugado de um número complexo, representaçõesalgébrica e trigonométrica. Representação no plano de ArgandGauss.

2) Funções

- Definição, domínio, imagem, contradomínio, paridade, injeção e sobrejeção;

- Raiz de uma função;

- Função constante, função crescente, função decrescente;

- Função definida por mais de uma sentença;

- Função inversa; e

- Composição de funções.

3) Função linear, função afim e função quadrática

- Gráficos, domínio, imagem e características;

-Variações de sinal;

- Máximos e mínimos; e

- Inequação produto e inequação quociente.

4) Função Modular

- O conceito e propriedades do módulo de um número real;

- Definição, gráfico, domínio e imagem da função modular;

- Equações modulares; e

- Inequações modulares.

5) Função Exponencial

- Gráficos, domínio, imagem e características da função exponencial; e

- Equações e inequações exponenciais.

6) Função Logarítmica

- Definição de logaritmo, propriedades operatórias;

- Gráficos, domínio, imagem e características da função logarítmica; e

- Equações e inequações logarítmicas.

7) Trigonometria

-Trigonometria no triângulo (retângulo e qualquer);

- Lei dos senos e lei dos cossenos;

- Unidades de medidas de arcos e ângulos: o grau e o radiano;

- Círculo trigonométrico, razões trigonométricas, redução ao 1º quadrante;

- Funções trigonométricas, transformações, identidades, equações e inequações trigonométricas em R;

- Fórmulas de adição de arcos, arcos duplos, arco metade e transformação em produto; e

-As funções trigonométricas inversas.

8) Contagem e Análise Combinatória

- Fatorial: definição e operações;

- Princípios multiplicativo e aditivo da contagem;

-Arranjos, combinações e permutações; e

- Binômio de Newton: desenvolvimento, coeficientes binomiais, termo geral.

9) Probabilidade

- Experimento aleatório, experimento amostral, espaço amostral, evento;

- Probabilidade em espaços amostrais equiprováveis;

- Probabilidade da união de dois eventos;

- Probabilidade condicional;

- Propriedades das probabilidades; e

- Probabilidade de dois eventos sucessivos e experimentos binomiais.

10) Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares

- Operações com matrizes (adição, multiplicação por escalar, transposição produto);

- Matriz inversa;

- Determinante de uma matriz: definição e propriedades; e

- Sistemas de equações lineares.

11) Sequências Numéricas e Progressões

- Sequências Numéricas;

- Progressões aritméticas: termo geral, soma dos termos, propriedades; e

- Progressões Geométricas: termo geral, soma dos termos, propriedades.

12) Geometria Espacial de posição

- Posições relativas entre duas retas;

- Posições relativas entre dois planos;

- Posições relativas entre reta e plano;

- Perpendicularidade entre duas retas ou dois planos; e

- Projeção ortogonal.

13) Geometria Espacial Métrica

- Prismas: conceito, elementos, classificação, áreas e volumes, troncos;

- Pirâmide: conceito, elementos, classificação, áreas e volumes, troncos;

- Cilindro: conceito, elementos, classificação, áreas e volumes, troncos;

- Cone: conceito, elementos, classificação, áreas e volumes, troncos; e

- Esfera: elementos, seção da esfera, área, volumes, partes da esfera.

14) Geometria Analítica Plana

- Ponto: O plano cartesiano, distância entre dois pontos, ponto médio de um segmento, condição de

alinhamento de três pontos.

- Reta: equações geral e reduzida, interseção de retas, paralelismo e perpendicularidade, ângulo entre duas retas, distância ponto-reta, bissetrizes do ângulo entre duas retas, Área de um triângulo, inequações do primeiro grau com duas variáveis.

- Circunferência: Equações geral e reduzida, posições relativas entre ponto e circunferência, reta e

circunferência e duas circunferências; tangência; inequações do segundo grau com duas variáveis.

- Elipse: Definição, equação, posições relativas entre ponto e elipse, posições relativas entre reta e elipse.

- Hipérbole: definição, equação da hipérbole, posições relativas entre ponto e hipérbole, posições relativas entre reta e hipérbole, equações das assíntotas da hipérbole;

- Parábola: definição, equação, posições relativas entre ponto e parábola, posições relativas entre reta e parábola

- Reconhecimento de cônicas a partir de sua equação geral.

15) Polinômios

- Função polinomial, polinômio identicamente nulo, grau de um polinômio, identidade de um polinômio,

raiz de um polinômio, operações com polinômios, valor numérico de um polinômio; e

- Divisão de polinômios, Teorema do Resto, Teorema de D’Alembert, dispositivo de Briot-Ruffinni.

(16) Equações Polinomiais

-Teorema Fundamental da Álgebra, Teorema da decomposição, Raízes imaginárias, raízes racionais,

relações de Girard, Teorema de Bolzano.

 Bibliografia

IEZZI, Gelson; DOLCE, Osvaldo; DEGENSZAJN, David; PÉRIGO, Roberto e ALMEIDA, Nilze de.

Matemática – Ciências e Aplicações Volumes 1, 2 e 3. 4º Ed., Editora Atual, São Paulo, 2006.

PAIVA, Manuel Rodrigues. Matemática – Volumes 1, 2 e 3.1ª Edição Editora Moderna -São Paulo, 2009.

DANTE, Luiz Roberto. Matemática – Contexto e Aplicações – Volumes 1, 2 e 3. 4º Ed., Editora Ática, São

Paulo, 2007.

 e) Prova de Português

1) Leitura, interpretação e análise de textos

2) Leitura, interpretação e análise dos significados presentes num texto e relacionamento destes

com o universo em que foi produzido.

3) Fonética

-Fonemas, Sílaba, Tonicidade, Ortoépia, Prosódia, Ortografia, Acentuação gráfica, Notações Léxicas,

Abreviaturas, Siglas e Símbolos.

4) Morfologia

-Estrutura das palavras, Formação das palavras, Sufixos, Prefixos, Radicais gregos e latinos, Origens das palavras da Língua Portuguesa. Classificação e flexão das palavras (substantivo, artigo, adjetivo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição, conjunção, interjeição, conectivos e formas variantes).

5) Semântica

- Significação das palavras

6) Sintaxe

- Análise sintática, Termos essenciais da oração, Termos integrantes da oração, Termos acessórios da

oração, Período composto, Orações coordenadas, Orações principais e subordinadas, Orações subordinadas substantivas, Orações subordinadas adjetivas, Orações subordinadas adverbiais, Orações reduzidas, Estudo complementar do período composto, Sinais de pontuação, Sintaxe de concordância, Sintaxe de regência (verbal e nominal), Sintaxe de colocação, Emprego de algumas classes de palavras, Emprego dos modos e dos tempos, Emprego do infinitivo, Emprego do verbo haver.

7) Teoria da linguagem

- História da Língua Portuguesa; linguagem, língua, discurso e estilo; níveis de linguagem, funções da

linguagem.

8) Estilística

- Figuras de linguagem, Língua e arte literária.

9) Alterações introduzidas na ortografia da língua portuguesa pelo Acordo Ortográfico da Língua

Portuguesa, assinado em Lisboa, em 16 de dezembro de 1990, por Portugal, Brasil, Angola, São Tomé e

Príncipe, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e, posteriormente, por Timor Leste, aprovado no Brasil pelo Decreto Legislativo n° 54, de 18 de abril de 1995. Ainda serão aceitas as duas formas ortográficas, como está previsto no Decreto.

10) Literatura brasileira

- Literatura e a História da Literatura;

- Os Gêneros Literários;

-A linguagem poética;

- Elementos da Narrativa;

-Trovadorismo;

- Humanismo;

- Classicismo;

- Quinhentismo;

- Barroco;

-Arcadismo;

- Romantismo prosa e poesia ;

- Realismo/ Naturalismo;

- Parnasianismo;

- Simbolismo;

- Pré-Modernismo;

- Movimentos de Vanguarda Europeias no Brasil;

- Modernismo Brasileiro prosa e poesia (1ª, 2ª e 3ª gerações); e

-Tendências da Literatura Contemporânea.

 f) Prova de Redação

Dissertação –

Tema: na introdução, a apresentação do assunto, direcionamento para o objetivo da Linguagem: unidade de pensamento, coerência, coesão.

Corpo argumentativo: trabalho, posicionamento firme por parte do candidato, clara intenção persuasiva; no desenvolvimento, a colocação de no mínimo duas ideias-força, ampliação das ideias-força, defesa de posicionamento, argumentação, capacidade de abstração mental, não utilização de obviedades ou lugares-comuns, emprego de noções claras, sem generalizações, mencionar a fonte, quando esta objetivar alicerçar a argumentação, alusão histórica somente para alicerçar a argumentação, maturidade; na conclusão, a retomada do tema, a ratificação do objetivo do trabalho e o fecho  textual, clareza, estruturação frasal, períodos gramaticalmente íntegros, adequação vocabular, sem prolixidade, impessoalidade, não utilização de pronome de tratamento (você), não utilização de texto apelativo; utilização da norma culta da Língua, sem repetição viciosa, sem marcas de oralidade e/ou gírias, não utilização de clichês, sem rasuras, letra padrão da Língua, marginação, apresentação geral.

Cumprimento das normas gramaticais, de acordo com a norma culta da Língua.

 Bibliografia

1. Gramática

CUNHA, Celso e LINDLEY, Cintra. Nova gramática do português contemporâneo. 3ª edição. Rio de

Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. 46ª ed. Companhia Editora Nacional, São Paulo;

FERREIRA, Mauro. Aprender e Praticar Gramática. Edição Renovada. São Paulo: FTD, 2003.

2. Literatura brasileira

NICOLA, José de. Literatura Brasileira: das origens aos nossos dias. 16ª edição. São Paulo:Scipione,

2004;

INFANTE, Ulisses. Curso de Literatura de Língua Portuguesa. 1ª edição. São Paulo:Scipione, 2001;

CEREJA, William Roberto e MAGALHÃES, Thereza Cochar Magalhães. Literatura Brasileira. 3ª edição

revista e ampliada. São Paulo: Atual, 2005.

Informações Adicionais

 Para maiores informações sobre a EsPCEx, clique no link abaixo.

www.espcex.ensino.eb.br

Formatura

Curso Pergamus: preparatório ao CMJF 

O Curso Pergamus, desde sua fundação, tem trabalhado com a preparação de candidatos ao Concurso de Admissão ao Colégio Militar de Juiz de Fora- CMJF. Sucesso absoluto em aprovação, o Pergamus prima por seu material didático direcionado, professores qualificados e atendimento personalizado aos nossos alunos. Excelência de ensino em um ambiente confortável e número reduzido de alunos por sala de aula – 20 alunos por sala - é outro aspecto que merece destaque.

Esse curso preparatório é oferecido em dois dias alternados por semana, tendo em vista que o candidato deve também dar atenção ao ensino regular em que se encontra matriculado, e nosso objetivo é ampliar seus conhecimentos e não prejudicá-lo em seu desempenho escolar. Além disso, para alguns alunos que não se encontram preparados ou que perderam algum elo da cadeia conteudística, oferecemos a “sexta-feira pedagógica”, em que há um assessoramento individual (ou em grupo) para que seu conhecimento seja nivelado ao dos outros do grupo e possamos dar continuidade ao andamento da matéria, sem prejuízos cognitivos.

Concurso de Admissão ao CMJF

O Concurso de Admissão ao Colégio Militar de Juiz de Fora é dividido em duas fases, ambas eliminatórias: a 1ª é a parte de matemática e o candidato que não obtiver pelo menos 50% de acertos fica impedido de fazer a 2ª, que é a de português. A prova de Língua Portuguesa é avaliada em dois aspectos: interpretação e conhecimentos lingüísticos (7 pontos) e redação (3 pontos), cuja média do somatório seja também 50%. Consegue êxito o candidato que obtiver em uma média aritmética – português e matemática -  maior número de pontos. Até 2010, foram oferecidas 60 vagas aos candidatos ao 6º ano do Ensino Fundamental e 15 para os da 1ª série do Ensino Médio.

Avaliação bem elaborada, moderna e ampla, a prova de matemática do Colégio Militar é contextualizada. Talvez esteja aí a maior dificuldade atribuída a ela. Através de textos retirados de revistas renomadas do Brasil, o candidato deve saber discernir entre as informações que são relevantes ao que é pedido no enunciado da questão e as que são descartáveis à resolução do problema. Muito mais que voltada para a área de exatas é uma prova que testa o conhecimento da língua e seu entendimento.

Pelo exposto, é mister que o candidato que pretende ingressar no Colégio Militar prepare-se por nove meses, uma vez que, muito mais que a demonstração de seus conhecimentos, o candidato deve demonstrar sua sagacidade para a resolução das provas, o que exige um amplo treinamento para a marcação das assertivas corretas. Outrossim, deve-se levar em conta ainda que o nível de exigência cognitiva do CMJF está, pelo menos, seis meses à frente de qualquer escola de Juiz de Fora e região. Enfim, o êxito do candidato está no investimento na qualidade de ensino, que é amplamente encontrada no Curso Pergamus.

Informações adicionais

Para maiores informações sobre o Colégio militar de Juiz de Fora - CMJF - acesse o link abaixo.

www.cmjf.com.br

Histórico

Em junho de 1956 foi extinta a Escola do Lloyd e criada a Escola de Marinha Mercante do Ministério da Marinha, em dependências próprias, na Avenida Brasil, nº 9020, a beira mar, em terreno com área de 97.500m2.

Até 1964, para as embarcações de que dispunha a Marinha Mercante Nacional, a formação dos Oficiais foi bastante satisfatória, com o mercado de trabalho absorvendo, adequadamente, a oficialidade forjada na nova Escola. O crescimento da Marinha Mercante, a expansão da construção naval, os corredores de exportação e os terminais portuários especializados, provocaram conseqüências imediatas e irreversíveis no comércio marítimo e na economia da nação.

Para guarnecer os grandes e modernos navios que surgiram era necessário o preparo de homens capazes, dotados de conhecimentos adequados à manobra de navios e qualificados para acompanhar o desenvolvimento da tecnologia naval.

Por decisão do Governo brasileiro, a solução mais apropriada para a formação de pessoal capacitado coube à Marinha de Guerra, através da Diretoria de Portos e Costas, que passou a ser responsável pelo ensino técnico-profissional a todos os marítimos, inclusive o pessoal subalterno que até então não dispunha de uma escola para seu aprendizado.
                       

A resposta para esse desafio foi a criação do Centro de Instrução Almirante Graça Aranha, o CIAGA, verdadeira Universidade do Mar, orgulho da nossa Comunidade Marítima, cuja construção foi iniciada em 1971 e concluída em 1973, sendo inaugurado no dia 12 de janeiro de 1973.

Em 1980, foi criado o Núcleo de Formação de Oficiais da Reserva da Marinha ( NFORM ), Órgão subordinado ao Comandante do CIAGA, com a principal tarefa de prover aos alunos da EFOMM a instrução necessária à capacitação para o exercício de funções de caráter militar.

Em 1988, o CIAGA foi eleito, pela Organização Marítima Internacional ( IMO ), Centro Regional da Universidade Marítima Mundial e, através de convênio com essa Organização, passou a receber, regularmente, alunos oriundos de outros países.

O CIAGA vem, desde então, através da EFOMM, formando Oficiais, atualizando-os e aperfeiçoando-os nas várias fases da carreira, além de ministrar um vasto programa de cursos especiais a todos os marítimos.

 O Pergamus e a EFOMM

 O Curso Pergamus tem obtido um sucesso excepcional na turma da EFOMM e isso se deve à qualidade de nossa equipe de professores, ao material didático que é produzido exclusivamente para esse fim - revisado anualmente -, aos nossos meios auxiliares facilitadores do ensino (quadro interativo), além, é claro, da nossa aprovação, que é a maior da região (veja nossa galeria de fotos).

Com número limitado de alunos por sala - vinte -, o Pergamus tem se destacado por manter sempre uma qualidade de ensino com assessoramento pedagógico diário e por dar o conforto, na medida certa, aos nossos alunos e professores. Nossas aulas iniciam no dia 1º de fevereiro de 2011 e, embora pareça ser pouco o tempo entre o início e o dia do concurso, é o suficiente, tendo em vista que nossos meios auxiliares otimizam o tempo do aluno e o do professor - aulas enviadas para o aluno, em tempo real, por e-mail permitem que ele preste atenção à aula sem ter que se preocupar em copiar o conteúdo ou a resolução de um problema do quadro.

A prova do concurso de Admissão à EFOMM é composta de Matemática, Física, Inglês, Português e Redação(classificatória). Consegue êxito aquele que atingir 50% em cada disciplina e um grau maior na produção textual. Sabe-se, entretanto, que em alguns anos, por não conseguir o número de candidatos suficiente para o preenchimento das vagas oferecidas por esta instituição, a EFOMM passa a classificar outros alunos que tenham obtido abaixo de 50%, convocando-os a integrar o seu corpo de alunos pela maior média aritmética.

PROGRAMA DE MATÉRIAS

A bibliografia sugerida não limita nem esgota o programa. Serve apenas como orientação para as bancas elaboradoras de provas e para os candidatos.

 1 FÍSICA

 1.1 CINEMÁTICA ESCALAR

1.1.1 Movimento Uniforme. Movimento com velocidade escalar variável e Movimento Uniformemente Variado. Movimento Vertical no vácuo. Gráficos do Movimento Uniforme e do Movimento Uniformemente Variado.

1.2 VETORES E GRANDEZAS VETORIAIS: CINEMÁTICA VETORIAL

1.2.1 Vetores. Velocidade e aceleração vetoriais. Movimentos circulares. Lançamento horizontal e lançamento oblíquo no vácuo.

 1.3 DINÂMICA

1.3.1 Princípios fundamentais. Leis de Newton. Forças de atrito. Forças em trajetória curvilíneas. Trabalho e energia. Impulso e Quantidade de Movimento. Gravitação Universal.

 1.4 ESTÁTICA

1.4.1 Equilíbrio do ponto material. Equilíbrio dos corpos extensos. Hidrostática.

 1.5 TERMOLOGIA

1.5.l Introdução à termologia. Termometria. Dilatação térmica de sólidos e líquidos.

 1.6 CALOR

1.6.1 Calorimetria. Mudanças de fase. Diagramas de fase. Propagação do calor.

 1.7 TERMODINÂMICA

1.7.1 Estudo dos gases. As leis da Termodinâmica.

 1.8 ÓPTICA

1.8.1 Óptica geométrica. Reflexão da luz e Espelhos planos. Espelhos esféricos. Refração luminosa. Lentes esféricas delgadas. Instrumentos ópticos.

 1.9 ONDAS

1.9.1 Movimento harmônico simples (MHS). Ondas. Interferência de ondas. Ondas sonoras.

 1.10 ELETROSTÁTICA

1.10.1 Eletrização e Força elétrica. Campo elétrico. Trabalho e potencial elétrico. Condutores em equilíbrio eletrostático e Capacitância eletrostática.

 1.11 ELETRODINÂMICA

1.11.1 Corrente elétrica. Resistores. Medidas elétricas. Geradores e Receptores elétricos. Capacitores.

 1.12 ELETROMAGNETISMO

1.12.1 Campo magnético. Força magnética. Indução eletromagnética.

 1.13 BIBLIOGRAFIA

1.13.1 CALÇADA, Caio Sérgio; SAMPAIO, José Luiz. Física Clássica. Volumes l, 2, 3, 4 e 5. São Paulo: Atual, 1998. V.1 – Cinemática, 2.ed.; V.2 – Dinâmica, Estática, 2.ed.; V.3 – Termologia, Fluidomecânica e Análise Dimencional, 2.ed.; V.4 – Óptica e Ondas, 2.ed.; V.5 – Eletricidade, 2.ed.

1.13.2 GASPAR, Alberto. Física. Volumes l, 2 e 3. São Paulo: Ática, 2000. V.1 – Mecânica; V.2 – Ondas, Óptica e Termodinâmica; V.3 – Eletromagnetismo e Física Moderna.

1.13.3 GUALTER, José Biscuola; HELOU, Ricardo Doca; NEWTON, Villas bôas. Tópicos de Física. Volumes l, 2 e 3. São Paulo: Saraiva, 2002. V.1 – Mecânica, 18.ed., 2001; V.2 – Termologia, Ondulatória e Óptica, 16.ed., 2001; V.3 – Eletricidade, Física Moderna e Análise Dimensional, 15.ed., 2001.

1.13.4 MÁXIMO, Antônio; ALVARENGA, Beatriz. Curso de física. Volumes l, 2 e 3. São Paulo: Scipione, 2005. V.1 – 6.ed, 2006; V.2; V.3.

1.13.5 PARANÁ, Dijalma Nunes da Silva. Física. Volumes l, 2 e 3. São Paulo: Ática, 1998. V.1 – Mecânica, 6.ed.; V.2 – Termologia, Óptica e Ondulatória, 7. ed., 1999. V.3 – Eletricidade, 7.ed., 1999.

1.13.6 RAMALHO , Francisco Júnior; NICOLAU, Gilberto Ferraro; TOLEDO, Paulo Antônio Soares.

Os Fundamentos da Física. Volumes l, 2 e 3 – 8.ed.. São Paulo: Moderna, 2006. V.1 – Mecânica; V.2 – Termologia, Óptica e Ondas; V.3 – Eletricidade, Introdução à Física Moderna e Análise Dimencional.

 2 MATEMÁTICA

 2.1 CONJUNTOS NUMÉRICOS

2.1.1 Números naturais e inteiros: indução finita, divisibilidade, mínimo múltiplo comum, máximo divisor comum e decomposição em fatores primos.

2.1.2 Números racionais e reais: operações e propriedades, relações de ordem, valor absoluto e desigualdades.

2.1.3 Números complexos: forma algébrica e trigonométrica. Representação no plano, complexo conjugado e operações. Raízes da unidade.

2.1.4 Seqüências: progressões aritméticas e geométricas.

 2.2 POLINÔMIOS

2.2.1 Conceito, grau e propriedades fundamentais.

2.2.2 Operações, divisibilidade por "x-a" e dispositivo prático de Briot-Ruffini.

 2.3 EQUAÇÕES ALGÉBRICAS

2.3.1 Definição, raízes e multiplicidade. Teorema Fundamental da Álgebra.

2.3.2 Relações entre coeficientes e raízes. Pesquisa de raízes múltiplas. Raízes reais e complexas.

 2.4 ANÁLISE COMBINATÓRIA E PROBABILIDADE

2.4.1 Arranjos, Permutações, Fatorial e Combinações.

2.4.2 Números binomiais. Triângulo de Pascal e Binómio de Newton.

2.4.3 Probabilidade: Definição, Probabilidade Condicional, Eventos Independentes e Distribuição Binomial de Probabilidades.

 2.5 MATRIZES. DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES

2.5.1 Matrizes: conceito, tipos especiais, operações e matriz inversa.

2.5.2 Determinantes: conceito, resolução, propriedades e aplicações.

2.5.3 Sistemas lineares: resolução e discussão.

 2.6 GEOMETRIA ANALÍTICA

2.6.1 Coordenadas cartesianas. Distância entre dois pontos.

2.6.2 Estudo da reta: equação geral, reduzida, segmentaria, paramétricas e normal. Interseção,

paralelismo e perpendicularismo. Distância de um ponto a uma reta. Área de um triângulo e condição de alinhamento de três pontos.

2.6.3 Equação da circunferência: tangências e interseções.

2.6.4 Elipse, hipérbole e parábola: elementos e equações.

 2.7 FUNÇÕES

2.7.1 Domínio, contradomínio e imagem de uma função.

2.7.2 Funções injetoras, sobrejetoras e bijetoras.

2.7.3 Funções compostas, inversa, pares e ímpares.

2.7.4 Funções: linear, quadrática, exponencial, logarítmica, modular e recíproca. Propriedades. Resolução de equações e inequações.

2.7.5 Representação gráfica de funções.

 2.8 TRIGONOMETRIA

2.8.1 Arcos e ângulos: definições, medidas e relações entre arcos.

2.8.2 Funções trigonométricas e funções trigonométricas inversas. Relações fundamentais.

2.8.3 Relações e Identidades. Redução ao 1° quadrante. Adição, subtração, duplicação e bissecção de arcos. Transformação em produto.

2.8.4 Equações e inequações trigonométricas.

2.8.5 Resolução de triângulos. Lei dos senos e dos cosenos.

2.9 GEOMETRIA PLANA

2.9.1 Congruência de figuras planas.

2.9.2 Semelhança de triângulos.

2.9.3 Relações métricas nos triângulos, polígonos regulares e círculos.

2.9.4 Áreas de polígonos, círculo, coroa e setor circular.

 2.10 GEOMETRIA ESPACIAL

2.10.1 Retas e planos no espaço. Paralelismo e perpendicularismo.

2.10.2 Ângulos diedros e ângulos poliedros. Poliedros regulares.

2.10.3 Prismas, pirâmides e respectivos troncos: cálculo de áreas e volumes.

2.10.4 Cilindro, cone e esfera: cálculo de áreas e volumes.

 2.11 BIBLIOGRAFIA

2.11.1 IEZZI, Gelson. Fundamentos de matemática elementar. 8.ed. São Paulo: Atual. V.1.

2.11.2 IEZZI, Gelson. Fundamentos de matemática elementar. 9.ed.. São Paulo: Atual, 2004.V. 2

2.11.3 IEZZI, Gelson. Fundamentos de matemática elementar. 8.ed. São Paulo: Atual. V.3.

2.11.4 IEZZI, G.; HAZZAN, S.. Fundamentos da matemática elementar. 7.ed. São Paulo: Atual, 2004. V. 4.

2.11.5 HAZZAN, S.. Fundamentos da matemática elementar. 7.ed. São Paulo: Atual, 2004. V. 5.

2.11.6 IEZZI, Gelson. Fundamentos de matemática elementar. 7.ed.. São Paulo: Atual, 2004.V. 6.

2.11.7 IEZZI, Gelson. Fundamentos de matemática elementar. 5.ed. São Paulo: Atual, 2005. V.7.

2.11.8 DOLCE, O.; POMPEU, J. N. Fundamentos da matemática elementar. 8.ed. São Paulo: Atual, 2005. V.9.

2.11.9 DOLCE, O.; POMPEU, J. N. Fundamentos da matemática elementar. 6.ed. São Paulo: Atual, 2005. V.10.

 3 LÍNGUA INGLESA

3.1 GRAMÁTICA

 3.1.1 MORFOLOGIA

3.1.1.1 Substantivos: gênero, forma possessiva, número. Pronomes: possessivos, reflexivos, objetivos. Adjetivos: grau de comparação, espécies. Verbos: infinitivos e gerúndios. Verbos: regulares e irregulares.

 3.1.2 SEMÂNTICA

3.1.2.1 Verbos: tempos, modos e formas (presente, passado, futuro simples, contínuo, perfeito, imperativo); substitutos de tempo futuro; verbos modais. Advérbios. Numerais. Preposições; Conjunções. Palavras interrogativas.

 3.1.3 SINTAXE

3.1.3.1 Estrutura da oração. Período composto (condicionais, relativas, apositivas, etc.). Verbos: vozes (ativa, passiva, reflexiva); discurso (direto e indireto). “Question tags”, respostas curtas (“Tag answers”). Verbo: forma verbal enfática. Artigos (definidos e indefinidos).

 3.2 COMPREENSÃO DE TEXTOS

3.2.1 Textos de assuntos técnicos e gerais.

 3.3 BIBLIOGRAFIA

3.3.1 OXFORD ADVANCED LEARNERS DICTIONARY. 7.ed. 2005.

3.3.2 DICTIONARY OF ENGLISH LANGUAGE AND CULTURE. Longman. Pearson Longman.

3.3.3 SWAN, M.; WALTER, C.. The Good Grammar Book; with answers. Oxford, 2001.

3.3.4 FUCHS, M.; BONNER, M. Grammar Express Intermediate; with Answers Key. Longman, 2002.

3.3.5 BOLTON, D.; GOODEY, N.. English Grammar in Steps; with answers. Richmond Publishing:1996.

 4 LÍNGUA PORTUGUESA

 4.1 ESTUDO DE TEXTO

4.1.1 Compreensão de textos literários e não literários

 4.2 GRAMÁTICA

4.2.1 Fonologia: fonemas, encontros consonantais e vocálicos, dígrafos, divisão silábica, acentuação gráfica e ortografia.

4.2.2 Morfologia: estrutura das palavras, formação de palavras, classes de palavras: classificação, flexão e emprego (substantivo, adjetivo, artigo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição, conjunção e interjeição).

4.2.3 Sintaxe: análise sintática da oração, análise sintática do período, pontuação, regência e concordância, estudo da crase, colocação pronominal.

 4.3 SEMÂNTICA E ESTILÍSTICA

4.3.1 Sinonímia e antonímia, hipononímia e hipernonímia, polissemia, ambigüidade.

 4.4 BIBLIOGRAFIA

4.4.1 CEREJA, W. R.; MAGALHÃES, T. C. Gramática reflexiva: Texto, Semântica e Interação.

2.ed. São Paulo: Atual, 2005.

4.4.2 SAVIOLI, F. P.; FIORIN, J. L. Lições do texto. 7.ed. São Paulo: Ática. 2000. 

Informações Adicionais

www.ciaga.mar.mil.br

 

O Pergamus e a EsSA

Embora o Curso Pergamus não prepare especificamente para o concurso da EsSA - Escola de Sargentos das Armas -, a maioria de nossos alunos de Juiz de Fora e região que estuda no curso preparatório à EsPCEx é aprovado nesse concurso.

Atualmente, para ingressar na EsSA, deve-se ser do sexo masculino, ter o Ensino Médio completo, e o conteúdo cobrado nas provas é praticamente o mesmo do da EsPCEx.

O candidato aprovado na EsSA é transferido para uma região - de acordo com sua classificação - em que faz uma adaptação de seis meses - antes de ir para Três Corações, local em que efetivamente há o curso.

O aluno da EsSA, ao se formar, sai como 3º sargento e, assim como acontece com os oficiais do Exército, recebe remuneração - ajuda de custo - durante o curso e para o trânsito, quando é transferido para a região à qual sua classificação lhe permite destinar-se.

Informações Adicionais

Para maiores informações, clique no link abaixo.

www.esa.ensino.eb.br

 

        

 

O Pergamus e a EPCAR/CMJF 1ª série

O Curso Pergamus, desde sua fundação, tem trabalhado com a preparação de candidatos ao Concurso de Admissão à Escola Preparatória de Cadetes do Ar e ao Colégio Militar de Juiz de Fora- CMJF - 1ª série do Ensino Médio. Sucesso absoluto em aprovação, o Pergamus prima por seu material didático direcionado, professores qualificados e atendimento personalizado aos nossos alunos. Excelência de ensino em um ambiente confortável e número reduzido de alunos por sala de aula – 20 alunos por sala - é outro aspecto que merece destaque.

Esse curso preparatório é oferecido em dois dias alternados por semana, tendo em vista que o candidato deve também dar atenção ao ensino regular em que se encontra matriculado, e nosso objetivo é ampliar seus conhecimentos e não prejudicá-lo em seu desempenho escolar. Além disso, para alguns alunos que não se encontram preparados ou que perderam algum elo da cadeia conteudística, oferecemos a “sexta-feira pedagógica”, em que há um assessoramento individual (ou em grupo) para que seu conhecimento seja nivelado ao dos outros do grupo e possamos dar continuidade ao andamento da matéria, sem prejuízos cognitivos.

EPCAr  - Escola Preparatória de Cadetes do Ar  

A Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAr) é uma escola de ensino da Força Aérea Brasileira (FAB), sediada em Barbacena (MG). Sua missão é preparar jovens para ingresso no Curso de Formação de Oficiais Aviadores (CFOAv) da Academia da Força Aérea (AFA) por meio do CPCAR (Curso Preparatório de Cadetes do Ar), e ao mesmo tempo proporcioná-los o Ensino Médio.

A EPCAr abre anualmente 185 vagas para que jovens brasileiros, do sexo masculino, concorram às vagas do primeiro ano do Curso Preparatório de Cadetes do Ar. A concorrência tem sido, em média, de 70/vaga (70 candidatos por vaga). O candidato, no momento da matrícula, mediante ato do Comandante da EPCAR, passa à situação de aluno da EPCAR (Praça Especial, conforme a Lei nº 6.880, de 9 de dezembro de 1980 – Estatuto dos Militares), a ser mantida durante o Curso Preparatório. O Aluno do CPCAR, durante a realização de qualquer dos anos do curso, estará sujeito ao regime escolar da EPCAR e fará jus a remuneração fixada em lei (tabela de soldos atualizada pela Lei 11.784/2008), de acordo com a sua graduação, além de alimentação, alojamento, fardamento, assistência médico-hospitalar e dentária.

Os alunos que concluírem, com aproveitamento, o CPCAR, terão direito ao Certificado de Conclusão do Ensino Médio e do Curso Preparatório de Cadetes do Ar (CPCAR).. Aqueles que desejarem ingressar na AFA, para realizar o Curso de Formação de Oficiais Aviadores (CFOAV), poderão fazê-lo desde que sua classificação esteja dentro do número de vagas destinadas aos alunos concludentes do 3º ano do CPCAR e as condições de saúde, física e psicológicas atendam aos requisitos exigidos para ingresso no 1º ano do CFOAV. As vagas para o CFOAV destinadas aos alunos egressos do CPCAR serão estabelecidas pela Portaria do Comandante da Aeronáutica, não sendo assegurada a matrícula de todos os concludentes.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

1 LÍNGUA PORTUGUESA

1.1 ESTUDO DE TEXTO

1.1.1 Intelecção de textos literários e não literários

1.2 GRAMÁTICA

1.2.1 Fonologia: Fonemas, encontros consonantais e vocálicos, dígrafos, divisão silábica, acentuação gráfica e ortografia.

1.2.2 Morfologia: Estrutura das palavras, formação de palavras, classes de palavras: classificação, flexão e emprego (substantivo, adjetivo, artigo, numeral, pronome, verbo, advérbio, preposição, conjunção e interjeição).

1.2.3 Sintaxe: Análise sintática da oração, análise sintática do período, pontuação, regência e concordância, estudo da crase, colocação pronominal.

1.3 SEMÂNTICA E ESTILÍSTICA

1.3.1 Sinonímia e antonímia, hiponímia e hiperonímia, polissemia, ambiguidade.

1.3.2 Denotação e conotação, figuras de linguagem, funções da linguagem, e vícios da linguagem.

1.3.3 Versificação.

1.4 BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

1.4.1 CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar Gramática reflexiva: Texto, Semântica e Interação. São Paulo: Atual, 2005, 2ª ed., ISBN 85-357-0633-X.

1.4.2 SAVIOLI, Francisco Platão; FIORIN, José Luiz., Para entender o texto. São Paulo: Ed. Ática, 2000, 16ª ED., ISBN 8508034687.

2 MATEMÁTICA

2.1 Noções de conjunto: operações com conjuntos, relações binárias e subconjuntos.

2.2 Conjuntos dos números naturais; sistema de numeração; e bases.

2.3 Operações com números naturais.

2.4 Divisibilidade: múltiplos e divisores, números primos e fatoração completa.

2.5 Conjunto dos números racionais: números fracionários, operações e operações inversas no conjunto dos racionais.

2.6 Razões: número racional absoluto e razões especiais (velocidade e densidade).

2.7 Proporções: propriedades, porcentagem, números proporcionais, regra de três, juros e câmbio.

2.8 Ampliação numérica: conjunto dos inteiros relativos, conjunto dos racionais relativos. Operações diretas e inversas em e em .

2.9 Equações e inequações do primeiro grau: resolução de inequações do primeiro grau com uma variável no conjunto dos números racionais relativos.

2.10 Números reais, números racionais e números irracionais: operações diretas e inversas no conjunto dos números reais, cálculo com radicais, transformação de radicais e casos de racionalização.

2.11 Cálculo literal em : expressões equivalentes, reduções, fatoração, equações, inequações e sistemas de equações simultâneas em .

2.12 Polinômio numa variável: operações. Noção intuitiva do conceito de "zeros" de um polinômio.

2.13 Equações do segundo grau: resolução das equações incompletas e das equações completas.

Fórmula de resolução. Simplificação no caso de ser "a=l" e "b é par". Relações entre coeficientes e raízes. Forma (S,P) de uma equação do 2° grau. Composição de uma equação do 2° grau, conhecidas as raízes.

2.14 Equações biquadradas e equações irracionais.

2.15 Sistemas simples do 2° grau: problemas do segundo grau.

2.16 Funções: conceito de função, domínio e conjunto imagem e funções definidas por equações.

2.17 Coordenadas cartesianas no plano. Gráfico das funções definidas por equações.

2.18 Função: afim, linear e constante, gráfico e propriedades dessas funções. Conceito de declividade. Gráficos de inequações do primeiro grau com duas variáveis. Interseção de regiões do plano.

2.19 Função trinômio do segundo grau: estudo da função trinômio do segundo grau e construção dos respectivos gráficos. Propriedade do gráfico da função trinômio do segundo grau. Inequação do segundo grau.

2.20 Introdução à geometria dedutiva: elementos fundamentais: ponto, reta, semi-reta, segmento, plano, semiplano, ângulo e congruência. Estudo dos polígonos em geral, dos triângulos e quadriláteros em particular.

2.21 Estudo da circunferência: disco, círculo, arcos e cordas. Propriedades. Medidas de ângulos e de arcos.

2.22 Transformações geométricas elementares: translação, rotação e simetria.

2.23 Razão e proporção de segmentos: feixe de paralelas. Teorema de Tales.

2.24 Semelhança de triângulos e de polígonos. Razões trigonométricas de ângulos agudos.

2.25 Relações métricas no triângulo retângulo: teorema de Pitágoras. Projeção ortogonal.

2.26 Relações métricas num triângulo qualquer: lei dos co-senos e senos.

2.27 Relações métricas no círculo.

2.28 Razões trigonométricas: razões trigonométricas dos ângulos 30, 45 e 60 graus. Relações entre as razões trigonométricas. Emprego das tábuas trigonométricas. Problemas de aplicação.

2.29 Polígonos regulares: relações métricas nos polígonos regulares.

2.30 Áreas de regiões planas: relações métricas entre áreas de figuras planas.

2.31 Medidas de volume, de capacidade, de massa, de comprimento e de área.

2.32 BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

2.32.1 BRANDÃO, Marcius. Matemática: conceituação. 5ª/6ª/7ª/8ª séries. São Paulo: Editora Brasil S/A, 1978.

2.32.2 DOLCE, Oswaldo; POMPEO, José Nicolau. Fundamentos de matemática elementar: geometria plana. 8 ed. São Paulo: Atual, vol. 9, 2005 – ISBN 8532.

2.32.3 IEZZI, Gelson; DOLCE, Osvaldo; MACHADO, Antônio. Matemática e Realidade - 5ª série. 5.ed. São Paulo: Atual, 2005.

2.32.4 IEZZI, Gelson; DOLCE, Osvaldo; MACHADO, Antônio. Matemática e Realidade - 6ª série. 5.ed. São Paulo: Atual, 2005.

2.32.5 IEZZI, Gelson; DOLCE, Osvaldo; MACHADO, Antônio. Matemática e Realidade - 7ª série. 5 ed. São Paulo: Atual, 2005 ISBN 85-357-0627-5.

2.32.6 IEZZI, Gelson; DOLCE, Osvaldo; MACHADO, Antônio. Matemática e Realidade - 8ª série. 5.ed. São Paulo: Atual, 2005.

INSPEÇÃO DE SAÚDE (INSPSAU)

5.4.1 A INSPSAU do processo seletivo avaliará as condições de saúde dos candidatos, por meio de exames clínicos, de imagem e laboratoriais, inclusive toxicológicos, definidos em Instruções do Comando da Aeronáutica, de modo a comprovar não existir patologia ou característica incapacitante para o serviço militar nem para as atividades previstas.

5.4.2 A INSPSAU será realizada em Organização de Saúde da Aeronáutica (OSA). O resultado da INSPSAU para cada candidato será expresso por meio das menções "APTO" ou "INCAPAZ PARA O FIM A QUE SE DESTINA".

5.4.3 Os requisitos que compõem a INSPSAU e os parâmetros exigidos para a obtenção da menção "APTO" constam da ICA 160-6/2009 "Instruções Técnicas das Inspeções de Saúde na Aeronáutica", aprovada por intermédio da Portaria DIRSA nº 12/SDTEC, de 09 de março de 2009 e alterada pela Portaria DIRSA nº 81/SDTEC, de 17 de dezembro de 2009, a ser divulgada nos endereços eletrônicos http://www.fab.mil.br (link Concursos em Andamento) e http://www.epcar.aer.mil.br.

5.4.4 Somente será considerado "APTO" na INSPSAU o candidato que obtiver resultado favorável dentro dos padrões e diretrizes estabelecidos pela Diretoria de Saúde da Aeronáutica (DIRSA). IE/EA CPCAR 2011 Portaria DEPENS nº 180-T/DE-2, de 19 de maio de 2010.

5.4.5 O candidato que obtiver a menção "INCAPAZ PARA O FIM A QUE SE DESTINA" na INSPSAU terá o diagnóstico do motivo de sua incapacidade registrado no Documento de Informação de Saúde (DIS).

REQUISITOS PARA INSPEÇÃO DE SAÚDE (INSPSAU)

 1 REQUISITOS CARDIOCIRCULATÓRIOS

1.1 Pressão arterial em decúbito dorsal, até 140mmHg (cento e quarenta) de sistólica por até 90mmHg (noventa) de diastólica.

1.2 Exame físico do aparelho cardiovascular normal.

1.3 Eletrocardiograma de repouso normal.

1.4 Exame radiológico do tórax sem anormalidades.

1.5 Ausência de doenças cardiovasculares incapacitantes, de acordo com as IRIS.

 2 REQUISITOS VISUAIS

2.1 A acuidade visual a seis metros será: visão igual a 1,0 (20/20) em cada olho, separadamente, sem correção, devendo apresentar no máximo +2,25 D no meridiano de maior valor dióptrico e diferença entre os meridianos (astigmatismo) de no máximo 0,75.

2.2 Os portadores de dioptrias esféricas negativas (miopia) serão incapacitados.

2.3 O Exame refratométrico deverá ser realizado, obrigatoriamente, sob cicloplegia.

2.4 Acuidade visual a 35 centímetros - J-1 em cada olho, separadamente, sem correção.

2.5 Senso cromático - pesquisado por intermédio das Pranchas Pseudo-Isocromáticas, admitindo-se até 03 (três) interpretações incorretas.

2.6 Motilidade Ocular Extrínseca:

a) índices forométricos a 06 (seis) metros, em caso de foria, admite-se os limites nos índices forométricos a 06 (seis) metros, de acordo com o quadro abaixo:

 ENDOFORIA até 10 dioptrias prismáticas

EXOFORIA até 05 dioptrias prismáticas

HIPERFORIA até 01 dioptria prismática

 b) capacidade de divergência: de 03 (três) a 15 (quinze) dioptrias prismáticas (a divergência deve ser igual ou exceder à endoforia); e

c) poder de convergência: o ponto de convergência (PC) não deve exceder à distância interpupilar (DP).

 2.7 Campo visual: qualquer escotoma central ou para-central inabilita. Não deverá apresentar contração maior do que 15 (quinze) graus em qualquer meridiano, considerado os limites constantes no quadro abaixo (exame realizado a critério do especialista):

 TEMPORAL 90 graus

SUPERIOR 50 graus

NASAL 60 graus

INFERIOR 70 graus

 2.8 Visão de profundidade: será pesquisada em aparelho específico, “Keystone ou Ortho-Rater”. Será considerada normal a leitura da metade do número de linhas mais uma.

2.9 Oftalmotônus: normal, entre 10 a 20 mm/Hg.

 OBSERVAÇÃO: O candidato ao CPCAR que tiver sido submetido à cirurgia refrativa (CERATOTOMIA RADIAL) será incapacitado.

 3 REQUISITOS AUDITIVOS

3.1 Audibilidade com perda tolerável de até 25db (vinte e cinco decibéis) ISO (International Standard Organization), nas freqüências de 250 (duzentos e cinquenta) a 6.000 (seis mil) ciclos/segundo em cada ouvido, separadamente.

3.2 Audibilidade para voz cochichada a 5 (cinco) metros em cada ouvido, separadamente.

3.3 Ausência de sinal evidente de sensibilidade anormal ao ruído.

 4 REQUISITOS ODONTOLÓGICOS

4.1 Presença de todos os dentes anteriores naturais, incisivos e caninos, tolerando-se próteses que satisfaçam à estética e às funções.

4.2 Presença de, no mínimo, 4 (quatro) molares naturais, 1 (um) em cada hemi-arcada. Os espaços existentes, em decorrência de ausência de molares e/ou pré-molares, deverão estar ocupados por próteses que satisfaçam à estética e funções.

4.3 Ausência de cáries.

4.4 Ausência de moléstias periodontais evidenciáveis ao exame visual.

4.5 Ausência de afecções periapicais constatadas visualmente ou evidenciadas em exames radiográficos de dentes suspeitos.

4.6 Ausência de má-oclusões do tipo classe II severa e classe III de Angle, tipo óssea.

 5 REQUISITOS ORTOPÉDICOS

5.1 O candidato não poderá apresentar no exame ortopédico da Inspeção de Saúde as seguintes anomalias:

a) Escoliose que ultrapasse 12º (doze) graus Cobb;

b) Lordose acentuada, com mais de 48º (quarenta e oito) graus Ferguson;

c) Cifose que, ao estudo radiológico, apresente mais de 40º(quarenta) graus Cobb;

d) “Genu Recurvatum”, com mais de 5º (cinco graus) além da posição neutra em raios X lateral, decúbito dorsal com elevação ao nível do calcâneo de 10cm (dez) em situação de relaxamento;

e) “Genu Varum” que apresente distância bicondilar superior a 7cm (sete centímetros) ao exame clínico, sendo que as radiografias realizadas em posição ortostática, com carga, evidenciem acima de 6º (seis) graus no eixo anatômico;

f) “Genu Valgum” que apresente distância bimaleolar superior a 7cm (sete centímetros), cujas radiografias realizadas em posição ortostática, com carga, evidenciem 6º (seis) graus no eixo anatômico;

g) Megapófises de vértebra lombar que apresentem articulação anômala unilateral no estudo radiológico;

h) Espinha bífida com repercussão neurológica;

i) Anomalia no comprimento dos membros inferiores que apresentem, ao exame, encurtamento de um dos membros, superior a 15mm (quinze milímetros), constatado em mensuração referencial da crista ilíaca até o maléolo interno e confirmado através de escanometria de membros inferiores;

j) Hemivértebra, tumores vertebrais (benignos e malignos), sequela de fraturas que comprometam mais de 50% (cinquenta por cento) do corpo vertebral, laminectomia, passado de cirurgia de hérnia discal, pinçamento discal lombar maior que 20% (vinte por cento) do espaço intervertebral; ou

k) Todas as espondilólises e as espondilolisteses.

 6 REQUISITOS DÉRMICOS

6.1 Inexistência de cicatriz deformatória ou não-deformatória que, por sua natureza ou localização, possa, em face do uso de equipamento militar e do exercício das atividades militares, vir a motivar qualquer perturbação funcional ou ulcerar-se.

6.2 Inexistência de tatuagem no corpo que afete a honra pessoal, o pundonor militar ou o decoro exigido aos integrantes das Forças Armadas (conforme previsto no Art. 28 do Estatuto dos Militares), tais como as que apresentem símbolos e/ou inscrições alusivas a:

a) ideologias terroristas ou extremistas contrárias às instituições democráticas ou que preguem a violência e a criminalidade;

b) discriminação ou preconceitos de raça, credo, sexo ou origem;

c) ideias ou atos libidinosos; e

d) ideias ou atos ofensivos às Forças Armadas.

6.3 Inexistência de qualquer tipo de tatuagem aplicada em área do corpo que possa vir a prejudicar os padrões de apresentação pessoal quando trajando uniforme de educação física, previsto no Regulamento de Uniformes da Aeronáutica (calção, camiseta e tênis com meia soquete).

OBSERVAÇÕES:

1. O não preenchimento de qualquer um dos requisitos descritos acima implicará na incapacidade física do candidato na Inspeção de Saúde para o fim a que se destina. Outras causas de incapacidade física estão descritas no capítulo V da ICA 160-1/2002 (Instruções Reguladoras das Inspeções de Saúde – IRIS).

2. O estabelecido neste anexo representa apenas parte dos requisitos a serem exigidos na Inspeção de Saúde. Também serão realizados exames de patologia clínica, exames de imagem e outros, de acordo com o estabelecido nas Instruções Técnicas das Inspeções de Saúde na Aeronáutica – ICA 160-6/2009, aprovada pela Portaria DIRSA Nº 12/SDTSA, de 09 de março de 2009.

Informações Adicionais

Para maiores informações, clique no link do site abaixo.

www.epcar.aer.mil.br