Estão disponíveis no nosso site as melhores redações do 1º semestre de 2011 do Curso Pergamus. Essa é uma maneira carinhosa de incentivar nossos alunos a continuarem a ler e melhorar a sua visão crítica  de mundo, mostrando que não estão tão desinformados quanto se apregoa por aí, muito ao contrário, dão olé em muito adulto.

Queridos, obrigada por proporcionar ao público a leitura de suas produções textuais.

Espero, de coração, que vocês obtenham sucesso no vestibular e em suas vidas acadêmicas e profissionais.

Beijos da Tia Ig.

 

 

Aluno: Aldo Figueiredo

Leais e Admirados

O respeito e a admiração da sociedade são almejados por grande parte dos seres humanos. Entretanto, em sua jornada, o indivíduo é desafiado, inúmeras vezes, a passar pelas dificuldades que a vida lhe impõe. Para vencê-las, a lealdade é a sua maior aliada.

Ser leal significa ser fiel não apenas ao próximo, mas, principalmente, aos seus princípios. Em meio à efemeridade de suas aquisições, o ser humano deve carregar consigo valores fundamentais, como honestidade e comprometimento, traços marcantes de uma pessoa leal. A educação recebida, o incentivo familiar, o amor ao próximo e o seu caráter são algumas das causas para isso.

A lealdade traz consequências extraordinárias, como respeito, confiança e admiração da sociedade. O indivíduo munido de tal valor é capaz de transmitir suas convicções e sinceridade ao ser ouvido por outras pessoas. A dedicação dos militares à sua pátria, a franqueza e o companheirismo em um relacionamento corroboram a magnificência da lealdade.

Portanto, para obter uma vida digna, é mister que o indivíduo carregue em seu âmago os maiores bens que pode conquistar, para que não se deixe corromper e encontre em seu caráter a motivação para ser leal a seus adjacentes.

A Vida com Intensidade

O ser humano encontra, no decorrer de sua vida, alegrias e tristezas, vitórias e frustrações. Em sua jornada, depara-se com uma verdadeira instabilidade, sendo forçado a enxergar que grande parte de suas aquisições são temporárias e que é preciso aproveitar a vida intensamente.

A valorização do presente, sem a preocupação com o futuro é uma grande aliada na trajetória de um indivíduo. Através disso, as pessoas são capazes de usufruir ao extremo cada momento que vivem. A transitoriedade das conquistas e dos bens, a inconstância e a incerteza sobre o futuro, motivam-nas a apresentar um comportamento admirável.

Valorizar o presente não significa acomodar-se e viver em um estado estacionário, mas sim, apreciar aquilo que se possui e não ser ganancioso. Os indivíduos que praticam essa valorização alcançam consequências gratificantes, dentre elas, o gozo máximo da vida e, principalmente, o equilíbrio psicológico, não se apegando ao passado e a ansiedades. Pessoas, como os poetas árcades, são grandes exemplos desse estilo de vida.

Portanto, o ser humano deve reconhecer a efemeridade de tudo aquilo que almeja e viver de modo extraordinário, desfrutando ao máximo cada oportunidade e momento de sua vida.

O Equilíbrio Ecológico

O meio ambiente é essencial para uma boa qualidade de vida. Por esse motivo, a preservação ambiental é amplamente divulgada pela mídia. No entanto, são raros os seres que respeitam as leis impostas, o que pode ser observado na degradação do ambiente em que vivem.

A queima e o desmatamento de florestas são, infelizmente, comuns em todo o mundo. A partir disso, faz-se necessária a manutenção dos hábitos de populações e empresas. Nesse instante, a cidadania, o maior cuidado e proteção da natureza devem entrar em vigor. A disciplina, a educação, o comprometimento com a pátria e a preocupação com a geração posterior podem ser algumas das motivações e incentivos para isso.

Consequentemente, a preservação ambiental traz inúmeros benefícios, como diminuição das poluições, melhoria do ar atmosférico, ausência de queimadas, conservação e maior diversidade de fauna e flora, e uma natureza exuberante. É possível ainda, aproveitar as reservas de água doce e a vegetação do país. O Green Peace e o Exército Brasileiro são grandes exemplos de instituições que prezam esse equilíbrio ecológico.

Portanto, é mister que o ser humano valorize o meio ambiente e aprenda a preservá-lo. Quanto às empresas e indústrias, devem utilizar o avanço tecnológico como um meio de conservação ambiental, e não de destruição.

Aluna: Aline O. Furtado

Romper Barreiras

Em nossos caminhos, diversos instantes são marcados por obstáculos que nos desanimam, fazendo-nos refletir sobre determinadas atitudes. Há quem se conforme e desista de enfrentar tamanha barreira e há quem lute para superá-los por mais complicados que sejam. Pessoas assim, batalhadoras, enquadram-se em admiráveis exemplos de superação.

O indivíduo disposto a enfrentar os problemas que aparecem em sua vida é corajoso e otimista. Possui um objetivo e, por isso, fica determinado a alcançá-lo. Em situações de sufoco, é persistente e insiste em seus desejos para que se tornem verídicos. Tudo isso é resultado de uma extrema vontade de sair da condição em que se encontra e, em muitos casos, é alimentada pela força de vontade e pelo apoio de outras pessoas.

Tamanha luta acaba gerando, em grande parte dos casos, a vitória do indivíduo, que passa a acreditar mais em si mesmo ao ver que seus planos deram certo. Essa conquista vem sempre acompanhada de um aprendizado, deixando a pessoa mais madura, confiante, realizada e disposta a vencer mais barreiras. A luta diária dos deficientes físicos para melhor inserção na sociedade e a história do maestro João Carlos Martins soa grandes exemplos de superação.

É característico da vida de qualquer ser humano o surgimento de problemas que aparentam ser impossíveis de se resolver. Entretanto, precisamos ser fortes para lutar contra eles e acreditar que, após sua solução, a vida é muito melhor.

Aluna: Coline H. Costa

Sistema de Cotas

O Brasil, atualmente, mesmo sendo um país democrático que, teoricamente, defende os direitos e deveres de cada cidadão, ainda deixa a desejar no quesito direito à educação.

É possível se notar essa situação através dos sistemas de cotas, criado pelo governo brasileiro, na tentativa de facilitar a entrada de negros e estudantes de escolas públicas nas universidades. A precariedade do ensino público é a comprovação de que o direito à educação de qualidade a todos está sendo negado aos alunos beneficiados com esse sistema, tirando a capacidade de muitos de concorrerem igualitariamente por uma vaga em instituições de ensino federais.

Além disso, muitos cotistas levam vantagem, por não precisarem fazer a mesma quantidade de pontos dos que disputam em ampla concorrência, ocupando uma vaga de direito dos que mostraram melhor desempenho na provas. O discente público, em muitos casos, não consegue concluir o curso, por não ter uma boa formação e base escolar, o que dificulta todo o processo de ensino superior. Isso acarreta um elevado número de vagas ociosas em faculdades e no déficit da formação de profissionais.

É necessário que o Governo Federal invista ferrenhamente na base da educação pública do país, melhorando a qualidade de ensino, para que o direito de igualdade a todos seja respeitado, pois, o sistema de cotas fere o princípio de isonomia dos cidadãos.

Aluno: Cristiano Araújo

A Falência do Petróleo

Vivemos em um mundo moderno, baseado na política capitalista, consumindo grandes quantidades de energia, para suprir os gastos da população de todo o planeta.

A alta densidade demográfica mundial fez com que a produção de alimentos, cosméticos, meios de transportes, dentre outras necessidades, aumentassem, gradativamente, exigindo uma elevada demanda energética e de matéria-prima. No entanto, descobriu-se o petróleo, um composto orgânico, muito energético, do qual se obtêm vários produtos importantes, para a economia, como a gasolina, parafina, óleo diesel, lubrificantes, asfalto e diversos subprodutos.

Entretanto, o petróleo é uma fonte não-renovável, devido à necessidade de milhões de anos para a sua formação. Outrossim, a sua escassez desencadeia falência de vários setores da economia mundial, problemas geopolíticos entre nações produtoras e consumidoras de petróleo, como acontece entre os países do Oriente Médio, grandes produtores de petróleo, que disputam suas reservas.

Portanto, a escassez desse composto orgânico energético ocasiona uma desconfiguração da economia mundial e grandes empresas entram em falência. No entanto, a busca por matrizes energéticas renováveis que tenham a mesma eficiência do petróleo pode evitar o gasto excessivo dele, atrasando a crise econômica e a falta de energia, a qual o mundo pode sofrer.

Vítimas do Dinheiro

Estamos em uma constante zona da batalha. Um lugar onde o crime, protegido pela corrupção, reina. A violência, geralmente influenciada pelo tráfico, atinge pessoas inocentes, que não dispõem da segurança pública, tornando-se um alvo fácil à festa das balas.

A pobre educação a que as pessoas de baixa renda estão submetidas desencadeia a busca por trabalhos mais lucrativos, não importando a ilegalidade. O despreparo de policiais em conjunto com políticos corruptos faz com que a população pobre seja a mais prejudicada pelo tráfico, devido à falta de condição de exigir uma segurança melhor.

As vítimas de balas perdidas refletem a falta de consideração do poder público para com os cidadãos, de tal modo que a corrupção tira das mãos do povo para sustentar os luxos dos políticos corruptos e suas famílias. Paulo Maluff é uma das explicações da irresponsabilidade com os necessitados. Rotineiramente, as notícias de mortes violentas ou acidentais deixam uma incógnita na vida das mães, que perderam seus filhos para o crime, fato corriqueiro e banalizado pelo tráfico.

A violência tem causado o sofrimento em muitos pais e filhos, vítimas de balas, perdidas, ou não, obrigados a viver diariamente em zonas de batalhas. Entretanto, a educação seria o apogeu para a paz.

Aluna: Fernanda Lima Machado

Para o Mundo Continuar a Girar

O atual modelo socioeconômico, capitalista e altamente tecnológico, exige uma grande demanda de energia para sobreviver. Dessa forma, o petróleo surge como um dos principais aliados desse modelo.

A importância do petróleo para a economia mundial é inegável, oferecendo energia e constituindo uma fonte de matéria-prima para a fabricação de vários produtos, como plásticos e cosméticos. Todavia, depender excessivamente do petróleo é preocupante devido às desvantagens que esse combustível fóssil apresenta, como o fato de ser esgotável e emitir gases intensificadores do efeito estufa.

Outrossim, acidentes em navios petroleiros podem ocorrer, prejudicando a vida marinha. O derramamento de petróleo no Golfo do México, em 2010, ilustra esse problema. Essas desvantagens mostram que a busca por fontes alternativas se torna paulatinamente mais necessária. Assim, investimentos em pesquisas sobre a produção de energia a partir da fusão nuclear, por exemplo, pode fazer desse método um grande substituto do petróleo.

Viver sem petróleo é possível sim. Mas antes é preciso criar mecanismos adaptativos e buscar por fontes que possam substituí-lo de forma a não causar impactos ambientes.

Respeito às Diferenças

A perseguição acontece quando uma pessoa tenta se sobrepor à outra por meio da agressão física ou psicológica. Apelidos, humilhações, xingamentos, danos materiais e ameaças são alguns dos elementos que compõem esse tipo de violência.

A escola é um ambiente no qual a perseguição é muito freqüente. Geralmente, há a presença de um aluno que deseja se sentir superior e, para isso, humilha uma pessoa que apresenta alguma característica ou comportamento diferente dos demais. Além disso, o incentivo ou mesmo a passividade de uma plateia estimulam a implicância do agressor.

O ato de perseguir traz consequências negativas tanto para o agressor quanto para o agredido. Este pode sofrer com a queda do rendimento escolar, com o isolamento social ou até mesmo com o suicídio; enquanto que aquele sofre por não se libertar das amarras do preconceito, que o impedem de conhecer e respeitar a diversidade humana.

As tensões presentes nas instituições de ensino podem ser solucionados por meio da vigilância e da adoção de atividades que incentivem sempre a inclusão e o tratamento respeitoso entre os seres humanos, independentemente de quaisquer diferenças existentes entre eles.

Cotas sim, Cotas não

O sistema de cotas para o ingresso nas universidades estaduais ou federais é usado para facilitar a entrada dos estudantes de escolas públicas no ensino superior, tornando mais justa a seleção dos candidatos por meio do vestibular. Todavia, esse sistema também possui desvantagens.

Devido à má qualidade do ensino público brasileiro, as cotas foram adotadas pelas universidades brasileiras com o objetivo de tornar o processo seletivo mais igualitário. A competição entre um aluno da rede particular de ensino e um da rede pública é injusta, pois a oferta de recursos didáticos para ambos é diferente, tornando desigual o rendimento de cada um deles.

A longo prazo, as cotas são ineficientes. Isso porque elas encobrem o problema da má qualidade do ensino público brasileiro e não fazem correspondência com a idéia de que todo cidadão tem o direito de ter um bom ensino básico, que o prepare para as exigências da vida em sociedade. Um exemplo da ineficácia das cotas são as lacunas geradas por uma educação que podem prejudicar o acompanhamento das aulas dadas na faculdade, tendo como consequência o surgimento das vagas ociosas.

Pode-se dizer, portanto, que o sistema de cotas deve ser adotado como uma medida imediatista. A solução efetiva se encontra na melhoria das escolas do Brasil, pois somente assim há uma justiça integral.

Solidão Qualitativa

A globalização é um processo paradoxal: promete um desenvolvimento econômico propiciador da igualdade social, além de um maior contato do ser humano com o seu próximo – principalmente por via tecnológica. No entanto, vivenciamos exatamente o oposto do prometido.

Ruas movimentadas, dia-a-dia corrido, excessos de propaganda, pressão por produção e consumo. O cotidiano do mundo moderno passa por esses elementos que, de uma maneira geral, sufocam o indivíduo. Ele, apesar de estar cercado por inúmeras pessoas, não tem tempo para conhecê-los de fato. Outrossim, a rede mundial de computadores nos mostra a crescente sobreposição da quantidade em relação à qualidade, pois o número de amigos é muito valorizado, sendo um indício de popularidade.

Tal número é inversamente proporcional à qualidade das relações, que se mostram gradativamente mais superficiais e efêmeras. Dessa forma, o homem carece por uma identificação íntima nas relações interpessoais, baseados na concepção aristotélica de amizade, na qual o convívio se faz necessário. O grande número de páginas virtuais de namoro e amizade evidencia isso.

Assim, é preciso que se busque a quebra desse paradigma advindo da globalização. Seja procurando um equilíbrio entre os contatos reais e virtuais ou reservando um tempo maior para conhecer as pessoas do cotidiano, o homem dever permitir a sua condição de ser social e adverso a qualquer tipo de solidão.

De Carne e Alma

O ser humano possui a capacidade de raciocinar, apresentando necessidades ligadas a essa qualidade. Atender às exigências fisiológicas do corpo, como a alimentação, não é suficiente para o alcance duma vida digna.

A busca por respostas e sentidos para a vida é uma constante humana, que pode ser satisfeita por meio da religiosidade, do conhecimento científico ou das diferentes formas de expressão que sempre estiveram presentes em diversos tempos e lugares: dança, pintura, escultura, música e teatro. Todas essas formas alimentam o pensamento e o espírito humano, que pedem por símbolos e abstrações para serem desenvolvidos.

Abdicar de tais abstrações é negar a natureza social e cultural que o homem apresenta, colocando-o em uma condição pouco saudável. Infelizmente, percebemos que muitas necessidades humanas não são atendidas, como a moradia, a educação, o lazer, as manifestações artísticas e culturais e até mesmo a alimentação. A Política do Pão e Circo, realizada na Roma Antiga para conter as massas, ilustra bem a idéia de que nem só de pão e água vive o homem, já que o entretenimento compunha parte dessa medida.

Vivemos, por fim, em um mundo desigual, no qual o abstrato é reservado aos mais favorecidos economicamente. Reverter essa situação cabe principalmente ao governo e até mesmo ao poder privado, que possuem condições de proporcionar melhores condições de vida à população, entendendo que as pessoas não são somente carne e osso, cuja função é produzir e consumir. Elas também possuem alma.

A Copa e as Olimpíadas no Brasil

O Brasil foi escolhido para sediar dois grandes eventos mundiais: a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Muitos aprovam tal escolha, porém, ambos os eventos são incompatíveis com a atualidade brasileira.

Espírito festivo, sentimento de orgulho e aquecimento momentâneo do turismo não fazem com que o saldo desses eventos seja positivo para o povo. Trata-se de uma espécie de Política do Pão e Circo, cujo objetivo é entreter as massas, havendo o esquecimento dos problemas que assolam rotineiramente as camadas mais populares. Paralelamente, tal política oferece vantagens para a ala corrupta da política, que promove o superfaturamento das grandes obras em beneficio próprio.

Tais obras geralmente não têm função utilitária após os eventos, transformando-se em elefantes brancos. Outrossim, o Rio de Janeiro, como sede das Olimpíadas terá seus problemas encobertos de forma a facilitar o encontro dos estrangeiros com a chamada cidade maravilhosa. Cidade essa que, assim como o Brasil, está longe de realmente o ser. As verbas públicas devem ser usadas para o alcance efetivo de tal adjetivação, buscando o crescimento do país por meio da educação e das ideais condições de saúde e moradia.

Assim, a Copa do Mundo e as Olimpíadas não são indicadas para o Brasil. Não basta encobrir nossos problemas de forma a apresentar uma aparência positiva para o estrangeiro. Temos de resolvê-los primeiro.

Valores da Ilusão

Rotineiramente, somos bombardeados pela ideia de que o alcance da felicidade só é possível por meio da fama e do dinheiro. Tal ideia é ilusória, pois o essencial para se viver de forma plena é simples e está longe do qualquer aparência gerada pelo brilho da fama.

A cultura materialista coloca o dinheiro como um objetivo de vida, fazendo com que o ter se sobreponha ao ser. Roupas de grife, sapatos da moda, carros importados são produtos idealizados de forma a nos fazer acreditar que seremos mais amados e que teremos o valor do objeto incorporado às nossas identidades, caso a compra seja efetivada. A mídia, com as suas propagandas persuasivas e seu ponto de vista elitizado, possui um importante papel na criação desses ideais distorcidos de felicidade.

Outrossim, há a exaltação da fama pelos meios de comunicação. Revistas de fofoca e programas de televisão endeusam celebridades, desviando os olhares do público para o cotidiano de um famoso, algo que deveria ser tratado com menos valor. Isso porque o destaque midiático deveria se voltar para aqueles que realmente precisam de atenção e ajuda, como as vítimas da fome e da pobreza.

Agir conforme os ditames do consumismo, que associa fama e dinheiro à ideia de felicidade, é estar preso a um círculo vicioso de ilusão, produção e consumo. A visão crítica adquirida por meio da educação é um poderoso antídoto para anular a valorização excessiva do superficial, da fama e do dinheiro.

Aluno: João Pedro

Miséria

Na década de 2000, foram elaborados pela ONU (Organização das Nações Unidas) os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. São oito objetivos que abordam as principais mazelas da contemporaneidade, dentre as quais está a miséria.

Nesse cenário, os programas de redistribuição de renda do Brasil colocaram o país como referência no combate à fome e à pobreza, após a retirada de milhões de brasileiros de condições subumanas. Além disso, esse investimento gerou grande desenvolvimento na região nordeste, a qual mais recebe incentivos e que teve maior contribuição na geração de empregos no país.

Por outro ângulo, a miséria não se resume às condições de falta de alimento e moradia. Ela é presente nos deficientes sistemas educacionais da maioria dos países africanos e latino-americanos, nos regimes ditatoriais do Oriente Médio, que inibem as práticas de expressão e de democracia e também na subjugação de países em relação à soberania de um Estado.

Garantir os direitos básicos do cidadão à liberdade, à vida digna e à oportunidade é fundamental para acabar com a miséria. Entretanto, é necessária também a ação no direito à liberdade de expressão e a sistemas de saúde e de educação eficazes, pois a miséria é uma deficiência sanável, basta a união da sociedade para findá-la.

Aluna: Maria Laura Graciano Ribeiro

A Qualificação no Mercado de Trabalho

Conseguir um bom emprego nos dias de hoje não é uma tarefa fácil para todos. Quem procura um trabalho digno tem de se enquadrar nas exigências do mercado. Caso contrário, ou se torna mais uma vítima do subemprego ou é acometido pelo temido desemprego.

As pessoas que estão na idade ativa e procuram oportunidades de trabalho têm de se mostrar capacitadas polivalente, dinâmicas e qualificadas. Contudo, boa parte da população que não teve acesso à educação encontra dificuldades e obstáculos para se inserir no mercado de trabalho. A substituição do homem pela máquina e o aumento da tecnologia empregada em todo o processo produtivo são fatores que tornaram as empresas mais exigentes quanto ao currículo de quem pretende contratar.

No quadro econômico atual, sobram vagas de empregos em diversos setores carentes de mão-de-obra qualificada. Possuir pré-requisitos exigidos já não basta, é preciso ainda ter um diferencial. A partir disso, surgem os grandes problemas que afetam a dinâmica da economia. Há escassez de trabalhadores em determinadas áreas e as filas do desemprego estrutural crescem.

A qualificação do profissional, portanto, é a melhor solução para que se reduzam os números de desempregados nos países em desenvolvimento. Investir em educação desde o nível básico ao profissionalizante é a essência que os governos devem adotar para garantir um futuro melhor ao seu povo.

Aqui e Agora

A preocupação demasiada com o futuro atrapalha e consome o presente, viver em função do que ainda está por vir nem sempre é benéfico. Aproveitar o hoje é um conselho deixado há séculos por Horacio, mas quem não se tornou datado, e, a partir dele, surgiram as ideologias do carpe diem.

O indivíduo que não vive o momento, idealizando o futuro ou se lamentando do que já passou, acaba perdendo seu precioso tempo. Constrói no plano das ideias o que ainda virá, cria hipóteses impalpáveis e incertas acerca de vontades e desejos que correm o risco de não acontecerem. Entretanto, ter metas e objetivos é por vezes necessário para muitos e a luta por eles deve ser levada até o fim. Outros tentam voltar ao passado, revivê-lo e corrigir seus erros, o que também é uma bobagem. Motivados por remorsos, arrependimentos e mágoas, muitos tentam voltar e não se libertam do ontem.

Por isso, pessoas excessivamente planejadoras, arrependidas ou preocupadas se esquecem de usufruir o que se passa agora em busca do improvável e acabam caindo num ciclo vicioso. Sempre estão a fim de alcançar o horizonte ou voltar o tempo. Tornam-se vítimas da fragilidade, não curtem o momento e perdem grandes oportunidades. Quando caem em si, se isso acontece, percebem que já é tarde demais e as oportunidades já passaram.

É realizado aquele que aproveita, vive com intensidade, entrega-se aos prazeres. É necessário que se viva o hoje, do amanhã nada se sabe e ele pode nunca chegar. A vida é transitória e todos estão de passagem. Tudo flui, nada permanece para sempre e por isso não deve ser desperdiçada. Portanto, é preciso fazer hoje o que tiver de ser feito, viver o momento e ser o que quiser, mas ser agora.

Ética

A ética é o conjunto de princípios morais adotado com o fim de reger a conduta, as ações e decisões das pessoas de uma maneira correta e coerente. É encontrada nas diferentes relações entre cidadãos, empresas e instituições de uma sociedade fazendo com que haja maior equilíbrio e justiça entre ambos.

O indivíduo ético tende a ser mais respeitado, uma vez que procura agir de maneira justa e toma decisões de acordo com seus fundamentos morais. Seu comportamento sempre regrado o torna mais confiável e o faz mais preceptivo quanto ao bem e o mal. Muitos são influenciados dentro de casa e adotam essa postura a partir da admiração por pais ou parentes. Outros buscam a ética na religião e utilizam-na em prol da sociedade.

A harmonia e a clareza que a conduta ética traz para a vida tornam mais fáceis a solução e o posicionamento diante das diferentes situações que se apresentam no dia-a-dia. Traz consigo também benefícios para o ambiente social e de trabalho além de aumentar a prática desse conceito. Importantes nomes como Papa João Paulo II e Ayrton Senna difundiram o bem e a moral de forma imensurável, e, por isso, são exemplos que perduram até hoje.

A ética é uma virtude de grande valor, mas foi e ainda é muito esquecida. É necessário resgatar seus princípios e transferi-los às novas gerações. O início desse processo deve partir das famílias e ser trabalhado nas escolas, só assim a boa conduta se manterá viva.

Superação

A vida é um mistério. Ninguém sabe o que pode acontecer nos próximos minutos e, por isso, nunca estão preparados. Às vezes, determinados fatos ocorrem e trazem consigo mudanças radicais para quem as vivencia. Dessa forma, resta apenas munir-se de motivações e buscar a superação.

O indivíduo que sofre por qualquer que seja o motivo, precisa, acima de tudo, acreditar e ter força de vontade. Sem determinação e coragem, torna-se ainda mais difícil transpor os obstáculos e passar pelas dificuldades. Nem sempre é fácil lidar com perdas, acidentes, doenças ou qualquer outro tipo de problema. Por isso, ter apoio da família e de amigos, ser objetivo e persistente é fundamental.

A conquista só vem depois de muita luta e traz consigo, além de alegrias, muito aprendizado. Ao superar algo, as pessoas mudam seu modo de ver a vida e também de vivê-la, mostram aos outros que a superação não é impossível, que a capacidade é intrínseca e que todos podem conseguir isso. As Para-Olimpíadas são grandes exemplos que mostram, além das mais diversas dificuldades pelas quais passam os atletas, a força que eles têm para vencê-las.

A superação não é uma vitória simples e nem rápida. Contudo, com garra e otimismo é possível atingi-la. Não pode é se deixar abater e se dar por vencido. A confiança em que tudo melhora é uma das principais armas para combater os problemas e aflições.

Aluna: Mariana Ciribelli Dias

Tudo Passa, Tudo se Supera

A vida é construída por diferentes fases, as quais se caracterizam por momentos de angústia, tristeza, ansiedade, alegria e esperança, por exemplo. Além disso, está em constante movimento, o que gera no homem a necessidade de superar e se adaptar às circunstancias estabelecidas.

Enfrentar as diversas situações do cotidiano às quais o ser humano está submetido não parece ser simples, uma vez que conviver diariamente com o medo, fracasso – seja nas relações afetivas, nos projetos pessoais ou no trabalho – decepção, más notícias, ansiedade e até mesmo as doenças, que, além de prejudicar fisicamente, torna-o preocupado. Por conseguinte, é treinado a lidar com a saudade, seja ela o resultado de uma busca por melhor qualidade de vida, ou lembranças de alguém que morreu.

Entretanto, tudo na vida se supera, e é essa mesma superação que fortalece o homem e o torna apto a continuar exercendo suas atividades. De maneira geral, torna-se o alicerce da vida. Como exemplo de superação, tem-se o cantor Herbert Vianna e o músico João Carlos Martins, os quais souberam vencer as adversidades.

Tendo isso em vista, é inevitável ter somente bons momentos, ótimas notícias e sentimentos positivos. O sofrimento, de alguma forma, aparece. É essencial, no entanto, aprender a superar as dificuldades e entender o quão efêmera a vida é.

Aluna: Mônica Dias Ferreira

Construção da História Global com Decência

O ser humano busca a verdade durante toda sua vida. Qual seja a origem do mundo, os eventos da natureza, o porquê das relações sociais ou o que existe após a morte. Ele determina crenças para tudo ao seu redor e procura convencer o próximo dessa. Poderoso é aquele que de fato consegue isso.

Aqueles que aplicam a verdade em seu cotidiano sentem-se tranquilos e vivem despreocupados, sem o receio de serem julgados. Eles acreditam na transparência e honestidade de seus atos, os quais estão de acordo com a justiça e dificilmente são contestados. Ser sincero é uma escolha do indivíduo, envolvendo seu caráter, suas experiências e objetivos. Para uma pessoa íntegra, dizer a verdade é algo comum e rotineiro, pois, ao longo de sua vida, aprendeu que a honestidade é o diferencial na solução dos problemas, facilitando ou promovendo grandes mudanças.

O indivíduo que transmite e concretiza uma verdade conquista credibilidade e respeito das pessoas. Além do orgulho e satisfação própria por estar agindo do modo que considera certo, seus gestos são reconhecidos e enaltecidos, o que eleva ainda mais sua auto-estima. A sociedade tem em quem se espelhar, como, por exemplo, o Papa João Paulo II. Um homem eloquente que atingiu várias gerações, ainda fortemente lembrado pela sua probidade e bondade.

Uma vez que uma verdade é dita e propagada, existe uma uniformidade daquele pensamento, o que pode atenuar conflitos e gerar um respeito mútuo. Isso demonstra a importância e o poder que a compostura de uma pessoa representa para o mundo. Logo, é preciso ensinar conceitos de honradez para as crianças, para que no futuro predomine a veracidade dos fatos e não a imposição da vontade.

Aluna: Priscila Marinho Florentino

O Papel da Ética na Sociedade

A ética é um conceito filosófico aplicado na regulamentação do relacionamento em sociedade. Sua existência está muitas vezes ligada à obediência ao código legislativo, apesar de, na realidade, ultrapassar os limites da legalidade. A definição de comportamentos éticos tange o respeito ao próximo, necessário para o alcance de um convívio social harmonioso.

A formulação de parâmetros éticos parte do desenvolvimento de senso crítico, obtido a partir da incorporação de valores, como a honestidade, o respeito ao meio em que se está inserto e à educação transmitida pela família. Assim, aliada ao conhecimento dos direitos e deveres, adquirido a partir de fatores históricos e culturais exemplificativos, a religião, regulamentadora de bons comportamentos, que aplicam a moral, preconiza a formação de uma sociedade igualitária.

O relacionamento harmônico, decorrente da aplicação dos preceitos éticos, determina uma diminuição na criminalidade, uma vez que o respeito mútuo operante a valorização da família e da integridade física e moral. Ao longo da formação histórica, exemplos de ética e de difusão dos seus ensinamentos, lutaram pela modificação de estruturas sociais excludentes e pela implantação de estruturas sociais justas, como, Nelson Mandela, em sua luta contra o apartheid e o Papa João Paulo segundo, frente à Igreja Católica.

A aplicação da ética não deve estar restrita à área profissional. Atos que determinem uma melhora na qualidade do meio, como um todo, transcendem a regulamentação legislativa e abrangem a formação de uma consciência humanitária, promovendo o progresso de uma civilização equilibrada.

A Verdade e Sua Soberania

A verdade apresenta diversas versões. É individual, transitória e flexível. Assim, o que consideramos uma verdade pode vir a ser modificado à medida que adquirimos novos conhecimentos, vivenciamos diferentes situações e moldamos nossa visão de mundo. Cada um organiza a sua verdade e exercita a capacidade de compreensão do próximo, nesse permanente contexto de convivência no qual estamos insertos.

Encontramos então a necessidade do estabelecimento de paradigmas do que são consideradas verdades. Relações amorosas que incutem a fidelidade expõem a necessidade do ser humano de conhecimento da realidade do outro. Além disso, buscamos honestidade em todos os tipos de relações que estabelecemos, das mais próximas como a amizade ás mais racionais, como a escolha da representação política. A verdade é soberana, tem a capacidade de construir e também destruir, tem poder de cura e libertação e é estrutura da moral e do caráter.

Procuramos a verdade em diversos contextos. O desenvolvimento da lógica matemática baseia-se no estabelecimento de verdades exatas. Nessa forma, ela se apresenta em sua forma bruta e definitiva. Porem, em outras formas, ela também possui sua beleza, na necessidade de ser desmistificada, aceita e evidenciada; já que a simplicidade é que promove os maiores espetáculos do cotidiano.

Sendo assim, a maneira com a qual escolhemos representar nessas verdades é que nos garante a individualidade, resultado da perspectiva com que enxergamos o mundo. A autoridade existente na palavra sincera é capaz de promover aceitação e conforto emocional necessários ao desenvolvimento da dinâmica de relações interpessoais.

O Desafio do Respeito à Diferença

A convivência no âmbito familiar pode desencadear a existência de relações conflituosas, que, em muitos casos, são resolvidos com agressões físicas ou morais. O comportamento agressivo é resultado de um desequilíbrio das relações de poder inerentes a pais e filhos, e de distúrbios comportamentais muitas vezes obsessivos, em assuntos ligados ao companheiro.

Atitudes violentas derivam da falta de dialogo no cotidiano, assim, incompatibilidades ideológicas são encaradas com intolerância; o ciúme descontrolado acarreta a possessividade para com a parceira, que passa a ser tratada com desrespeito e insensibilidade, vítima de agressões constantes de um cônjuge que diversas vezes é dependente químico e existe um comportamento machista, não aceitando a autonomia financeira ou ate emocional adquirida pela companheira.

A formação da personalidade e o desenvolvimento psíquico dos seres humanos são diretamente influenciados pelo meio em que são criados. Ambientes familiares desequilibrados determinam comportamentos agressivos, uma vez que a família, que deveria ser a fonte de educação e afeto, apresenta-se desestruturada. É constante a divulgação de casos relacionados à violência familiar, como o da Suzane e os irmãos Cravinhos, e o mais recente caso da Isabella Nardoni.

Diante da necessidade de co-habitação dentro de um lar e os conflitos gerados pela estreita relação entre parentes, faz-se necessário o constante diálogo. O exercício da tolerância à diferença imposta pelo outro e a certeza de demonstração dos valores, os quais se deseja que sejam incorporados pelos filhos como exemplo de relacionamento com o próximo, devem ser diários para a estruturação de um lar harmonioso e a formação de pessoas capazes de respeitar divergências.

Aluno: Ruan Barros de Oliveira

O Ser Homem

O homem moderno está muito ligado aos bens materiais e eles por si só não suprem todas as suas necessidades. Quando nosso lado espiritual e psicológico é negligenciado, estamos nos mantendo mutilados porque a exclusiva nutrição do corpo não nos forma por inteiro.

O ser humano completo é aquele que ama, busca o conhecimento e acredita em seus ideais, porque é somente dessa maneira que realizamos os desejos de nossa mente e espírito. O amor não engrandece só a nós mesmo, mas também quem nos cerca. A busca pelo saber revela pontos de vista nunca antes experimentados. Tudo isso deriva da infinita curiosidade humana, que resulta tanto na procura pelo autoconhecimento quanto na busca pela solução de problemas sociais. A esperança de um mundo melhor é o que nos faz querer viver mais, para encontrar a tão sonhada felicidade.

Quando esse ser se completa, consequências boas são observadas, como o autoconhecimento, a felicidade e a realização pessoal, que provém das anteriores. É claro que isso reflete uma sociedade mais harmoniosa e justa, em que todos se respeitam, já que as diferenças não são empecilhos por terem sido superadas pelo conhecimento sobre elas. O homem que se conhece sabe viver em sociedade, pois sabe seu papel e não teme lutar por ela.

Como foi possível observar, o ser humano não vive sem se nutrir mental e espiritualmente e, infelizmente, essas são as menores preocupações da população em geral, que deve ser incentivada por projetos culturais, educação e até pela diversão, para que esse quadro de egoísmo em massa seja amenizado.